Em destaque

Macaron ,o doce italiano que virou ícone da Confeitaria Francesa.


O Doce da Rainha como era conhecido é até hoje um sinônimo de refinamento, só que muito popular e acessível a todos os gostos e bolsos.

Macaron Vegano da Chef Pri Lorente

Quando comemos um macaron a ideia original é que estamos na França, né? Só que a parte deliciosa dessa história o doce é de origem italiana! E por ser um doce muito famoso existem várias versões a respeito da sua origem.

A primeira delas começa em Veneza durante o período Renascentista e se chamava de maccherone que significa massa fina. Surgiu aproximadamente no ano de 791 e era produzido nos monastérios italianos imitando o umbigo dos monges da época, que curioso ;).

Macaron Vegano da Chef Pr Lorente

Alguns especialista no assunto notam uma breve semelhança com o amaretti que é um biscoito italiano feita a base de amêndoas, açúcar, claras de ovos e licor de amaretto, super crocante por fora e úmido por dentro exatamente igual ao macaron.

Já a segunda indica mais ou menos o ano de 1533 onde a Rainha Catarina de Médici com apenas 14 anos casou-se com o Rei Henrique II da França e mudou-se para o país levando toda a sua corte (pais, confeiteiros e doces preferidos) .

Macaron Vegano da Chef Pri Lorente

Essa receita sempre era guardada a sete chaves e só era servida em reuniões da nobreza, daí vem o apelido de “Doce da Rainha”. Inicialmente não era colorido nem recheado como conhecemos hoje, essa etapa da evolução do doce veio pelas mãos de Pierre Desfontaines Ladureé no ano de 1930 quando juntou as duas partes do biscoito e recheou com ganache de chocolate. Foi quando a iguaria começou a mudar de imagem e ficou parecendo um mini hambúrguer.

Apresentação clássica da confeitaria do avô de Pierre que está na França, a Ladureé. que possui filias pelo mundo inteiro e vende uma média de 15.000 macarons por dia.

Ainda em território francês, a revolução continuou e o doce foi ficando cada vez mais popular até o famoso confeiteiro Pierre Hermé tornar-se o percursor da nova versão criando formatos diferentes, cores e recheios inusitados como de azeite de oliva, rosas, caramelo salgado entre outros. A vitrine da sua luxuosa loja no bairro de Saint Germain é um “templo sagrado do macaron”, onde se pode encontrar livros, esculturas, caixas exclusivas e tudo relacionado ao produto. E o resultado disso foi a “popularização” do doces que hoje pode ser encontrado desde restaurantes de luxo até fast-foods.

Macaron Veganos por Chef Pri Lorente

Existe até o museu dele na cidade de Montmorillon o “Musée de L’Amande et du Macaron”, para os aficionados a essa iguaria.

E finalmente a terceira versão faz referência as freiras carmelitas do convento de Saint Sacrement na cidade de Nancy, na França que viviam ali no ano de 1719 e já reproduziam o doce, vendiam pela cidade e durante a Revolução Francesa e ficaram conhecidas na época como as Irmãs Macarons.

Macaron Vegano da Chef Pri Lorente

No Brasil quem trouxe o doce para deliciar o nosso paladar foi o confeiteiro Fabrice Le Nud dono da Patisserie Douce France e até hoje faz a versão original do doce sem utilizar farinha de castanha, para ele isso é falsificar o doce.

O que também pode fazer toda a diferença é a utilização dos corantes, utilize a versão em pó e de preferência hidrossolúvel.. Uma outra regra essencial é assar o macaron em um tapete de silicone ou folhas de teflon , nada de papel manteiga pois a gordura prejudica o doce e não fica na forma correta com aquele pezinho característico .

Chef Pri Lorente e seus macarons veganos feito à base de aquafaba.

E para fechar com chave de ouro vamos fazer um LIVE hoje às 19:30 hs no Instagram da @chefprilorente para falar sobre técnicas e tirar dúvidas sobre essa delícia de MACARON VEGANO feito a base de Aquafaba. Esperamos vocês lá !

#chefprilorente #chefinclusiva #chefinclusivista #academiadeconfeitariainclusivaonline/prilorente #macaronsveganos #cursosconfeitariainclusiva #cursosdocesinclusivos #cursosmacaronsveganos #aplv #confeitariainclusiva #docessemovos #alergicos #cursosconfeitariainclusiva #arivasconceloscopy

Em destaque

Plant Based, posso colocar essa etiqueta nos meus produtos?

Vegetais Orgânicos

PLANT BASED, essa é a palavra do momento, que vai estampada em muitas etiquetas de produtos que encontramos por aí. O seu significado é relacionado aos produtos feitos exclusivamente com produtos vegetais (sem quase nada de origem animal). Mas, a ideia vai mais além disso. É dar “importância aos verdadeiros alimentos” , aqueles da estação, que também não foram manipulados pela indústria , reduzindo assim o consumo diário daquelas opções congeladas, pré-cozidas e industrializadas.

E com todas essas mudanças do clima que estamos vivendo no planeta Terra, caminha ao lado do conceito de sustentabilidade, por ter muito mais respeito ao meio ambiente porque os custos de uma produção desse tipo de produto são infinitamente menores que os de procedência animal.

Mas… por que a demanda por estes produtos está crescendo tanto?

Devido ao aumento do público flexitariano (já mencionamos eles em um outro artigo aqui no blog no artigo : Você uma escolha saudável na sua vida?) são pessoas que consomem produtos de origem animal e querem reduzir esse hábito, mas não necessariamente eliminá-lo .

E essa demanda acontece a nível mundial, com Estados Unidos e Europa já lançando versões de produtos plant-based com foco nesse público, principalmente as empresas multinacionais líderes do setor.

Cesta de produtos diversificados

Um outro motivo que acredito ser um fator crucial para o desenvolvimento tão rápido desse mercado é que as pessoas já estão assustadas com o problemas ambientais que o nosso planeta está enfrentando, por isso buscam alternativas mais saudáveis para “ajudar” a Terra a melhorar.

Também existem aqueles curiosos que compram para saber qual o sabor de um hambúrger vegano ou um iogurt plant based, a curiosidade também é uma excelente motivação de compra.

Qual a diferença de produtos plant based e produtos veganos?

Os produtos veganos estão baseados no conceito de exclusão de qualquer insumo de origem animal, ou que provoque algum sofrimento a eles. Já os plant based se concentram em insumos absolutamente vegetais.

Anúncio publicitário de um restaurante.

Posso colocar a etiqueta plant based no meu produto?

Infelizmente o Brasil ainda está um pouco atrasado em relação a outros países nesse sentido… Atualmente esse mercado não é regulamentado no país, por isso, o Ministério da Agricultura abriu um formulário online para receber contribuições tecnicamente fundamentadas a respeito de sua regulação.

O objetivo disso é aumentar a discussão sobre esse tema para que entidades, órgãos e pessoas possam participar . A intenção é muito boa, mas ainda precisamos dar muitos passos para contribuir na expansão desse mercado. Ainda escutamos aquela famosa frase por aqui : Leite Vegetal , existe?

De acordo com a MAPA e ANVISA , para ser considerado leite o alimento deve ser proveniente das glândulas mamárias dos mamíferos , deixando os leites vegetais naquele patamar de bebida vegetal.

Quando a gente entra em um super mercado e vai procurar o leite de amêndoas, onde ele está? Disputando espaço com o leite de vaca, claro. Porque isso faz sentido para o consumidor, o estranho seria se ele estivesse no corredor das bebidas.

Hambúrguer vegano

Já o Parlamento Europeu aprovou em outubro de 2020 o termo hambúrguer vegetal na região, alegando que essa denominação é clara e faz sentido para o consumidor, ainda que o seja sem carne. Parece piada , mas não é não kkkkkk.

Se você fabrica um produto 100% de origem vegetal pode colocar essa etiqueta nos seus produtos , mas não deveria dizem as autoridades. Do ponto de vista de marketing com certeza (porque vai vender mais , claro ) , mas no sentido de rotulagem não ;(.

#chefprilorente #boraincluir #blogboraincluir#produtosplantbased #plantbased #arivasconceloscopy #alimentacaosaudavel #produtosdeorigemvegetal #veganfriendly #vegan #veganas #produtosveganos

Em destaque

Você sabe o que são PANCS?

Muitas pessoas acham que esse tipo de plantas são sinônimos e “comer mato” , na realidade elas fazem parte de uma revolução na alimentação saudável.

Tipos de PANCs

Hoje em dia, todo mundo quer ser mais “saudável” e comer melhor para poder viver mais? Claro que existem exceções, mas não com a galera da Confeitaria Inclusiva , somos super fãs de uma PANC, as chamadas Plantas Alimentícias Não Convencionais, elas possuem um potencial alimentício absurdo, são orgânicas, feitas sem agrotóxicos (de preferência ) .

Quando nos falamos da questão Alimentícia, queremos dizer que podem ser usadas na alimentação como as verduras, hortaliças, frutas, castanhas, cereais, condimentos e até como corante naturais. Já quando nos pensamos no significado de ser Não Convencional queremos dizer que não são produzidas ou comercializadas em grande escala. Sempre será uma produção local.

Valdely Ferreira Kimupp lançando o livro sobre PANCs

As plantas sempre existiram , mas o termo é recente e surgiu de um botânico, professor e investigador chamado Valdely Ferreira Kimupp quando defendeu sua tese de doutorado na Universidade do Rio Grande do Sul em 2014. Segundo ele, todas as regiões do nosso país e do mundo possuem um grande potencial para explorar todos os tipos, sejam elas nativas ou não. E uma grande vantagem é que aproveitam aquelas áreas que ficam improdutivas do campo.

Exemplos de Pancs

Como exemplo, temos a rúcula que antes era considerada um “matinho”, hoje é artigo de luxo em uma pizza , uma pasta com alho e queijo pecorino ou até como uma saladinha básica acompanhada de tomate cherry e um pouquinho de azeite . Hoje, as pessoas estão começando a descobrir a importância de se aproveitar todo o potencial de uma planta, por isso separamos algumas dúvidas que , provavelmente você deve ter sobre elas:

As PANC são apenas matos ou plantas que nascem sozinhas?
Muitas plantas não convencionais, como a serralha, a beldroega, o picão e
o caruru, são de fato espontâneas e nascem sem que ninguém precise plantá-las. Elas representam uma pequena parte das plantas que podemos consumir. Incluem-se nessa lista variedades de plantas cultivadas, que não são espontâneas, como verduras asiáticas, hortaliças africanas e legumes europeus.

Todo mato é PANC?
Muitas das plantas que nascem sozinhas em praças, calçadas, jardins e
hortas não são comestíveis. Algumas delas são medicinais, mas não são adequadas para a alimentação humana. Isso não quer dizer que não tenham utilidade – são fonte de abrigo e alimento para diversos insetos e animais e ajudam no equilíbrio do ambiente.

As PANC são amargas?
Esse é um mito que precisa ser quebrado. Algumas plantas, como a serralha,
pincel-de-estudante, alface-do-mato, alface silvestre, radite, dente-de-leão e crepe-do-japão. são amargas e também são parentes da escarola, da catalonha e do almeirão. Mas a grande maioria das hortaliças não são amargas, pelo contrário, são saborosas e versáteis na cozinha.

Como consumir as PANCs?
Cada planta é um ingrediente que tem a sua peculiaridade e sua forma própria de consumo. Existem três maneiras de prepará-las:
• As que são consumidas in natura, na forma de suco ou salada. Muito
similares ao mamão, alface e pepino.
• As que podem ser consumidas tanto na modalidade anterior quanto processadas, só que ficam mais agradáveis e saborosas quando cozidas ou refogadas. Seria a mesma forma de preparo da couve, da abobrinha e da escarola.
• E as que precisam obrigatoriamente passar por cozimento. Essa exigência
é similar à da mandioca, do espinafre e da batata-doce, que devem ser
consumidas cozidas.

Prato elaborado com PANCs.

Elas são um avanço da humanidade em relação aos estragos que fizemos à Mãe Terra durante anos . Onde existir um pedaço de terra sempre haverá uma PANC e ela poderá matar a fome de muita gente .

Tipo de PANC

A lista é bem larga começando pelas mais conhecidas como a Taioba, Erva Luísa, Ora -Pró-Nobis , Dente-de-leão, Hibisco, Urtiga, Jaca, Picão e muitas outras, estima-se que existem mais de 10.000 tipos de plantas com potencial alimentício e a maioria é comestível. E para fechar com chave de ouro esse assunto delicioso (que ainda ainda fiquei com vontade de escrever mais ) convidamos a Chef Mel Marques, proprietária da Fun_ Food_Comidinhas (uma empresa inovadora do ramo da Cozinha/Confeitaria Inclusiva e que defende as causas ambientais) para fazer uma receita deliciosa de uma Pasta de Girassol que pode substituir aquela manteiga tradicional, em uma LIVE HOJE com a Chef Pri Lorente às 15hs no Instagram . Te esperamos lá !

Sementes de Girassol

PASTA DE GIRASSOL E AZEITONAS PRETAS

Ingredientes

  • 130 gr de sementes de girassol demolhadas (ou uma xícara)
  • 100 ml de água (ou uma xícara)
  • 1 dente de alho (é opcional) e temperos da sua preferência
  • Suco de 1/2 limão
  • 45 ml de azeite (ou 3 colheres de sopa)
  • 5 gr de sal (ou 1 colher de chá)
  • Azeitonas à gosto.

MODO DE PREPARO: Deixe as sementes de girassol de molho de um dia para o outro, ou por pelo menos 8 horas. Retire as peles que ficaram boiando na água, escorra a lave em água corrente. Coloque no liquidificado ou processador com um pouco de água filtrada e o restante dos ingrediente exceto a azeitona. Bata até formar uma pasta homogênea e cremosa. Se precisar adicione mais água . Misture as azeitonas picadas e coloque mais sal se quiser.

#boraincluir #blogboraincluir #chefprilorente

#academiadeconfeitariainclusivaonline/prilorente

#funfoodcomidinhas

#chefmelmarques #pancs #plantbased

Fonte: Cartilha – Guia Prático das PANCs gentilmente cedido pela Chef Mel Marques da Fun_ Food_ Comidinhas .

Em destaque

Festa Junina em tempos de pandemia.

Estamos no mês mais animado do ano: JUNHO . Onde as festas juninas explodem pelo mundo inteiro e no Brasil , mas em tempos de pandemia é necessário fazer algumas adaptações para que a alegria não vá embora.

Festa Junina

A tradição dessas festas é muito mais antiga do que imaginamos! Ela começa no hemisfério Norte onde os povos hebreus, egípcios, nórdicos e celtas costumavam celebrar o dia mais longo do verão também conhecido como solstício (que normalmente acontecia no dia 21 e 22 de junho) com uma grande festa pedindo fertilidade e fartura na colheita, era uma espécie de ritual anual que não podia faltar.

Festa de São João no Nordeste do Brasil

Já na Europa essas festas também tinham o mesmo sentido, mas não eram muito bem aceitas pela Igreja Católica que considerava como “pagãs”, isso resultou em uma “cristianização” do evento celebrando os dias dos santos católicos Santo Antônio, São João Batista e São Pedro. Assim a celebração foi crescendo já sob as normas católicas e se popularizou por toda Europa.

Festa de São João na Espanha.

E como sempre acontecia nas zonas rurais, principalmente em Portugal e Espanha que herdou a maioria das suas características com mesa farta com grãos, sementes, bolos de milho, maçãs, fogueira,, a quadrilha (que foi inspirada nas danças francesas), fogos de artifício, muita música e alegria. É um dia tão animado que parece muito com a nosso Ano Novo do Brasil. As pessoas vão para a praia, dançam , cantam, soltam fogos de artifício, bebem e comem. Para eles é um dia especial onde se celebra a VIDA !

Mas… agora vamos para a realidade desse ano 2021… já que essa celebração não vai poder acontecer em tempos de pandemia então vamos fazer a nossa festa EM CASA MESMO!

Festa Junina na Caixa

Por isso, ainda continuamos com aquela tendência (já comentamos isso em outros posts) a Festa na Caixa (bolo, pipoca, pé de moleque, quentão e vinho quente) tudo muito bem decorado e entregue na casa do cliente, claro.

Bolo de paçoca vegano.

Algumas confeiteiras também inovaram em receitas diferentes, como o brigadeiro de milho da Chef Camila Gouveia da DaLu SemLeite de Sorocaba – SP, o Bolo de Paçoca também é um produto que vende muito nessas datas , só que naquela versão de bolo vulcão, com massa branca e cobertura de brigadeiro com doce de leite e paçoquinha esfarelada na versão inclusiva ;).

Festa Junina Delivery

E para completar toda essa alegria que não podemos perder nem nos tempos de pandemia, vamos fazer um brigadeiro de quentão para esquentar nosso São João em uma LIVE às 16hs lá no Instagram da Chef Pri Lorente. Espero vocês.

Brigadeiro de Quentão Inclusivo

Para a calda:
25 grs de açúcar (refinado ou demerara).
1/4 de maçã em pedaços bem pequenos.
Gengibre em pó ou ralado , canela (opcional).
20 ml de água.

Leite condensado:
50 ml de água.
150 grs de leite de coco em pó.
25 grs de açúcar refinado.

Por último: 20 ml de cachaça.
50 grs de chocolate branco.

Modo de preparo:

Prepare o leite condensado no liquidificador e reserve.

Em uma panela, adicione os ingredientes da calda até que o açúcar comece a dourar. Abaixe o fogo, acrescente então o leite condensado e mexa sem parar até que atinja o ponto cachoeira. Acrescente a cachaça.


👉🏻 Se vc preferir o brigadeiro mais alcoólico, somente misture a cachaça e desligue o fogo. Caso queira que o álcool evapore completamente, continue mexendo por mais 1 minuto.

Desligue o fogo e acrescente o chocolate branco.
Misture bem até o chocolate derreter. Envolva em filme plástico e deixe descansar na geladeira por 4 horas antes de servir.

👉🏻Dica: misture raspas de limão ao açúcar cristal para bolear os brigadeiros.

#boraincluir #blogboraincluir#chefprilorente #academiadeconfeitariainclusivaonline/prilorente #festajuninanapandemia2021

#festajunina2021 #festanacaixa #festajuninainclusiva #alergicos #cursosdocesveganos #arivasconceloscopy

Em destaque

Por que no Brasil comemoramos o dia dos namorados em junho?

No resto do mundo o dia dos namorados é em fevereiro , o famoso “Valentines Day” . Mas, no Brasil comemoramos em junho por um motivo muito comercial.

Dia dos Namorados 12 de junho.

Os brasileiros adoram copiar e modificar coisas de outros lugares do mundo. Sempre gostamos de fazer a versão “abrasileirada” de produtos e também de adotar datas comemorativas de outros países.

Só que o Dia dos Namorados, é bem diferente aqui. A origem dessa celebração é muito antiga e existem duas explicações para a história, mas a mais famosa é a de que São Valentim era um padre de Roma que foi condenado à pena de morte no século 3.

Casamento Homossexual

Segundo esse relato, o imperador Claudio 2 baniu os casamentos naquele século por acreditar que homens casados se tornavam soldados piores – a ideia dele era de que solteiros, sem qualquer responsabilidade familiar, poderiam render melhor no exército. Que preconceito , hein ?

Valentim, porém, defendeu que o casamento era parte do plano de Deus e dava sentido ao mundo. Por isso, ele passou a quebrar a lei e organizar cerimônias em segredo. E… quando o imperador descobriu, o padre foi preso e sentenciado à morte no ano 270 d.C.

Mas, durante o período em que ficou preso, ele se apaixonou pela filha de um carcereiro. E no dia do cumprimento da sentença, enviou uma carta de amor à moça assinando “do seu Valentim” – o que originou a prática moderna de enviar cartões para a pessoa amada.

Mas, a data só começou a ser oficialmente comemorada dois séculos depois , quando o papa Gelásio instituiu o Dia de São Valentim, classificando-o como símbolo dos namorados.

Dia dos namorados na Espanha

Nos Estados Unidos e no resto do mundo se comemora no dia 14 de fevereiro , o “Valentine’s Day”, exceto na Catalunha (Espanha) que se celebra no dia 24 de abril, o dia de São Jorge dali.

No Brasil a data de 12 junho é uma invenção publicitária criada pelo João Doria, pai do atual Governador de São Paulo João Doria Jr. Ele era dono da agência Standart Propaganda na época (1948) , ele foi contratado pela loja Exposição Clipper com o objetivo de melhorar o resultado das vendas em junho, que sempre eram muito fracas. Algumas pessoas dizem que ele se inspirou no Dia das Mães para montar essa estratégia comercial. A ideia era que as pessoas trocassem mais presentes e acredito que deu certo ;).

João Doria publicitário e seu filho .

Junho foi escolhido porque era justamente um mês de desaquecimento das venda e o dia 12 foi por ser véspera da celebração de Santo Antônio, que já era famoso no Brasil por ser o santo casamenteiro, tem tudo a ver não é ?

E a partir daí também foi criada a primeira propaganda da data, que tinha os seguintes slogans:

Slogans da Campanha de Dia dos Namorados.

“Não é só com beijos que se prova o amor!”

“Não se esqueçam: amor com amor se paga”, afirmava outro.

A propaganda foi considerada a melhor do ano pela Associação Paulista de Propaganda na época. E os presentes vão desde cestas de café , festas na caixa, bombons, flores, jantares, lingeries (para os mais apimentados) noites românticas, qualquer mimo é um sinônimo para se demonstrar o amor .

E…. já é no sábado o Dia dos Namorados! Que tal comemorar essa data tão romântica fazendo uma receitinha super especial a Esfera de chocolate Inclusiva que a Chef Pri Lorente vai fazer numa LIVE agora às 9hs lá no seu Instagram.

Esfera de Chocolate

Receita Esfera de Chocolate

Ingredientes

30 grs de chocolate cobertura inclusivo para a casquinha.

4 grs de leite de coco em pó.

2 grs de café solúvel.

300 ml de leite vegetal da sua preferência.

#boraincluir #blogboraincluir #chefprilorente #academiadeconfeitariainclusivaonline/prilorente #arivasconceloscopy #esferadechocolatevegana #chocolate #receitasinclusivas #inclusivamentefalando #docesveganos #aplv #alergicos

Em destaque

Quem inventou o Pão de Mel?

Pão de Mel Vegano com recheio trufado da Chef Pri Lorente

JÁ ESTAMOS EM JUNHO! E para nós aqui do Blog é um mês bem recheado de datas gostosas e de comidinhas também. As principais são : Festa Junina (que dura o mês inteiro ) e Dia dos Namorados. E esse dia tão romântico (12 de junho) faz a gente lembrar de flores, bombons e pequenos “mimos” que podem ser feitos com chocolate. O Pão de Mel é um deles, e se for em formato de coração melhor é o presente perfeito para fazer o seu amor suspirar mais ainda.

Essa receita é muito antiga, e existem duas versões dela: a primeira conta que nasceu na Rússia por volta do século IX e era chamada de “pryanik”. Basicamente era uma mistura de farinha, suco de frutas e mel, sendo que esse último ingrediente constituía quase metade de todos os outros. Mais tarde, lá pelos séculos XII e XIII, foram adicionadas especiarias vindas da Índia e Oriente Médio, como canela, nozes, gengibre, frutas secas, noz moscada e cravo, que deixam aquele “aroma” característico na boca.

Pão de Mel Vegano Chef Pri Lorente

Com o passar dos anos, o Pão de Mel se tornou muito popular e em cada região que o pryanik foi introduzido ele ia ganhando um jeitinho diferente de ser preparado e assado. Surgiram várias combinações e formatos que começavam com figuras de animais, árvores de natal e até alguns próprios para casamentos, festas, celebrações e datas especiais. O mais curioso é que também eram feitos com forma de anjos para doentes com o objetivo de curar a pessoa. Simpático né ?

A segunda versão mantêm a informação que sua origem é europeia, mas sem especificar a cidade exata da sua origem. Claro que o ingrediente principal continuava sendo o mel depois vinha a farinha de trigo, chocolate, manteiga, especiarias e ovos. E foi nessa época, que os confeiteiros europeus tiveram a ideia de banhar no chocolate derretido para prolongar o seu sabor, umidade. Também para poder conservá-lo fora de uma vitrine refrigerada.

Pão de Mel

Em países como França, Espanha e Portugal é difícil encontrar esse tipo de doce nas confeitarias, já subindo em direção Alemanha é bem mais fácil. Inclusive existe o lebkuchen que é o Pão de Mel Alemão feito com farinha de trigo, mel, amêndoas e especiarias (principalmente canela, cravo e anis) só que no lugar do fermento convencional, usa-se sal amoníaco ou potassa (carbonato de potássio). São muito consumidos no Natal e Oktoberfest (a Festa da Cerveja), existem até cidades como Nuremberg onde essa tradição é super forte e faz parte até da rota turística.

Pão de Mel pronto para vender

Como o nosso país tem muita influência europeia não é difícil encontrar essa delícia em qualquer loja . Normalmente está sempre naquela cestinha do lado do caixa ou em cima do balcão. Também como lembranças de festas e casamentos. É aquele tipo de produto que compramos praticamente sem pensar muito, porque já conhecemos o sabor. Quase sempre é feito por pequenos/as empreendedores do setor que fazem sob encomenda para vender. Nós da Confeitaria Inclusiva fizemos uma versão sem mel , claro . Só que o sabor é super parecido e bem recheado como todos os doces que brasileiros/as gosta ;).

Segue a receita da Chef Pri Lorente

Pão de Mel Vegano

Massa

Ingredientes
200g mix de farinhas (ver post sobre substituição de farinhas)
80 gramas de açúcar refinado
40 gramas de chocolate em pó 50%
2 gramas de sal
15 gramas de fermento
80 ml de óleo
200 ml a 250 ml de água (ou um pouco mais dependendo da farinha que está usando)
2 gramas de canela em pó
2 gramas de cravo em pó
1 grama de gengibre em pó

1 colher (sopa) de vinagre de maçã ou álcool

Recheio

100 ml de leite de coco industrializado
250 g chocolate em barra
10 ml de conhaque

E o modo de preparo você pode acompanhar HOJE 02/06 em uma LIVE às 15hs no Instagram da @chefprilorente. Espero vocês lá .

#boraincluir #blogboraincluir #chefprilorente #academiadeconfeitariainclusivaonline/prilorente #paodemelvegano #arivasconceloscopy #confeitariainclusiva #alergicos #cursosdocesveganos

Em destaque

Como utilizar a farinha de sorgo nas suas receitas.

Esse é um dos grãos mais “impressionantes” que utilizamos na Panificação Inclusiva e muitas pessoas não gostam do seu sabor, mas os benefícios que ele traz para a saúde ultrapassam qualquer barreira de gosto.

Grãos de sorgo

A origem desta planta é africana e vem da mesma família vegetal do milho, portanto é considerada um cereal. Seu consumo faz parte da base alimentar de muitos animais, em especial dos bovinos. Por isso, é muito conhecido no âmbito da agropecuária e na alimentação humana utilizamos muito a farinha de sorgo.

Ela é feita através da moagem dos grãos e para a nossa alegria é um produto que não contem glúten ( pode ser incluído na alimentação de pessoas com Doenças Celíacas) também atua  na prevenção de certos tipos de câncer, diabetes, saúde digestiva, controla o colesterol ruim, deixa os ossos mais fortes, promove o desenvolvimento de glóbulos vermelhos e aumenta a produção de energia.

Grãos e Farinha de Sorgo

O maior diferencial o sorgo é a grande concentração de antocianina em sua composição, que é uma substância rica em antioxidantes e pouco encontrada em alimentos do dia a dia. Além disso, ele também contém altos níveis de minerais, como ferro, magnésio, fósforo e zinco.

Ufa! Ele não é fraco não , hein . Eu me arrisco a chamá-lo de um “medicamento natural disfarçado de alimento 😉” de tão bom que é. Para você ter uma ideia veja só o que existe em 1/4 xícara de farinha de sorgo:

  • 120 calorias;
  • 01 grama de gordura;
  • 25 gramas de carboidratos;
  • 03 gramas de fibra;
  • 0 gramas de açúcar;
  • 04 gramas de proteína;
  • 110 miligramas de fósforo;
  • 1,68 miligramas de ferro;
  • 1,1 miligramas de niacina;
  • 0,13 miligrama de tiamina.
Plantação de grãos de sorgo

Apesar da sua origem africana é muito produzido na Índia e no Brasil também nas regiões de Goiás, Minas e Pará. Também é considerado o quinto cereal mais produzido no mundo e muitas vezes pode ser confundido com o milho (dá uma olhada nessa foto ao lado) .

Mas , ele são bem diferentes ! O nosso amigo amarelinho tem mais amido, já o sorgo tem mais proteína e menos gordura. Por isso, para fazer a substituição de qualquer ingrediente devemos fazer alguns “ajustes” na gordura para que a receita fique completamente balanceada . Seguem algumas dicas de como fazer isso:

  • A recomendação é adicionar entre 15% e 30% de farinha de sorgo às suas receitas para substituir a farinha de trigo.
  • Usar apenas o sorgo em alguns preparos pode impedir que a receita cresça tão bem quanto as feitas com outras farinhas. Então, funcionará melhor se combinada com outras  farinhas sem glúten, como a de arroz ou amido de batata.
  • Adicionar um pouco mais de óleo ou gordura (como óleo de coco ou manteiga ) .
  • Acrescentar ovos extras (se não trabalha para o público #veggie , claro) para receitas preparadas com o sorgo pode melhorar o teor de umidade e textura.
  •  Outro truque é usar o vinagre de maçã, que também pode melhorar o volume de massas feitas com misturas sem glúten.

#boraincluir #blogboraincluir #chefprilorente #academiadeconfeitariainclusivaonline/prilorente #arivasconceloscopy #docesveganos #alergicos #comoutilizarafarinhadesorgo #semgluten #comosubstituirfarinhas #glutenfree #glutenfreefood

Em destaque

Como substituir o açúcar por adoçante natural nas receitas?

Toda confeiteira tradicional pensa que para se fazer produtos para diabéticos é só substituir por adoçante e pronto, a mágica está feita. Mas, existem algumas particularidades sobre esse assunto.

Bolo Inclusivo feito por Chef Pri Lorente

Fazem algumas semanas que as meninas que estão no nosso curso Fundamentos da Confeitaria Inclusiva levantaram essa questão sobre a substituição do açúcar nas receitas inclusivas. E com o aumento dos casos de diabetes, precisamos ter mais opções para eles. Primeiro, vamos entender um pouco sobre essa doença crônica na qual o corpo não produz insulina ou não consegue empregar adequadamente a insulina que produz, a famosa DIABETES. Ela faz com que o organismo crie uma elevação na glicose do sangue, denominada de hiperglicemia. Segundo dados da Associação Brasileira de Diabetes hoje, no Brasil, há mais de 13 milhões de pessoas vivendo com diabetes, que representa 6,9% da população .

Produção de insulina


E… o que é essa a tal insulina?

Trata-se de um hormônio produzido pelo pâncreas que é responsável por levar a glicose presente no sangue para o interior das células para que seja usada como fonte de energia nos processos de funcionamento do corpo. E esse “estímulo” ocorre quando há aumento na quantidade de açúcar no sangue após as refeições.

O pâncreas produz dois tipos: a basal que é a secreção de forma contínua da insulina, para manter um mínimo constante ao longo do dia, e a bolus que é quando o pâncreas libera grandes quantidades de uma vez, após cada alimentação, impedindo assim que o açúcar dos alimentos se acumule no sangue.


Quando a pessoa tem diabetes seu organismo não fabrica insulina e não consegue utilizar a glicose adequadamente, com isso o nível de glicose no sangue fica alto e se esse quadro permanecer por um longo período sem diagnóstico poderá ocasionar danos em órgãos, vasos sanguíneos e nervos.

Há 2 tipos de Diabetes:

Tipo 1 – que é causada por fatores genéticos, onde há formação de anticorpos pelo próprio organismo contra as células beta pancreáticas levando a deficiência de insulina. Geralmente acomete crianças e adultos jovens. O quadro clínico é de evolução rápida com a presença de sintomas tais como sede, diurese e fome excessivas, cansaço, fraqueza e emagrecimento evidenciado.

  • Tipo 2 ou diabete Mellitus – que representa 90% dos casos existentes. O
    organismo produz insulina pelas células beta pancreáticas, mas sua ação é dificultada, ou seja, há uma resistência insulínica. Com isso o corpo aumenta a produção de insulina, na tentativa de manter os níveis de glicose normais. Os sintomas tem uma evolução mais lenta em relação ao tipo 1, e costuma estar associada ao aumento de peso e a obesidade e acomete principalmente adultos com mais de 50 anos, porém devido ao aumento do consumo de alimentos ricos em gorduras e carboidratos, tais como o consumo de bebidas
    açucaradas, aliado à falta de atividades físicas, esse tipo também começa a ser detectado em adultos jovens e crianças.

Mas … substituir o açúcar por um edulcorante natural NÃO é tão simples como parece, kkkk. Existem mais opções que podem se adaptar aos seus produtos e vamos conhecer duas muito utilizadas na nossa Confeitaria Inclusiva, aí fica a seu critério escolher qual será a melhor. Como diz sempre nossa super Chef Pri Lorente :]

“Toda substituição requer um reequilíbrio dos ingredientes da receita “.

Chef Pri Lorente
Stevia

Vamos começar pelo mais conhecido das prateleiras, o Stevia um produto natural igual ao xilitol e eritritol. Ele  é extraído das folhas da planta Stevia rebaudiana, originalmente encontrada desde o Paraná até o Paraguai sendo a única dentre 200 espécies que possui o extrato usado como adoçante, apesar de ter um sabor levemente amargo ele adoça MUITO .

O uso da planta e dos cristais adoçantes são muito antigos e aproveitados por diversos povos indígenas da América do Sul para adoçar preparações como chás , por exemplo. Esse extrato adquire a característica de um pó branco e não possui calorias, o que faz dele uma excelente opção também para pessoas que querem emagrecer, tem o poder de adoçar até 300 vezes mais que o açúcar comum. Para fazer essa substituição leve em consideração que:

  • 1 xícara de açúcar = 1 colher de chá de stevia em pó ou líquido;
  • Meia xícara de açúcar = meia colher de chá de stevia em pó ou líquido;
  • 1 colher de sopa de açúcar = ¼ colher de chá de stevia em pó ou 6 gotas de stevia líquida;
  • 1 colher de chá de açúcar = 2 gotas de stevia líquida ou uma pitada de pó de estévia.

Lembrando que estamos falando em termos de xícaras para facilitar a leitura, mas se tiver uma balança digital , opte SEMPRE por pesar as quantidades certinhas, tá ;).

Xilitol

O segundo melhor “amigo” dos diabéticos e dos dentes também é o xilitol que é um tipo de açúcar-álcool , obtido a partir da xilose, enzima encontrada em materiais como o bagaço da cana-de-açúcar, a palha de arroz e o sabugo de milho. Como ele não depende da insulina para ser metabolizado pelo organismo, pode ser utilizado por pessoas com diabetes tipo I ou tipo II. O que faz dele ser um dos “queridinhos” da nossa Confeitaria e sua proporção de uso geralmente é 30% menor do que a quantidade de açúcar que a receita pede.
Por exemplo, se a receita pede 100g de açúcar, vc pode substituir por 70 gramas de xilitol. Mas cuidado para não ultrapassar o consumo diário de 60g por dia para não causar efeito laxativo.

Artigo feito em colaboração com nossa aluna Alessandra Beca .

#boraincluir #blogboraincluir #academiadeconfeitariainclusivaonline/prilorente #arivasconceloscopy #confeitariainclusiva #docesveganos #docesparadiabeticos #alergicos

Em destaque

Aniversário do nosso Blog 1 ano de sucesso !

“A vida é a arte dos encontros, embora haja tanto desencontro pela vida’ , já dizia o super poeta Vinícius de Mores na canção Samba da Benção. Na maioria das vezes, nessas ocasiões não sabemos de onde podem sair boas relações e no que elas depois podem se transformar depois.

Curso de Confeitaria Tradicional

No nosso caso (Ariadne ) e da Chef Pri Lorente foi uma parceria de sucesso . Conheci essa “señorita” , como costumo chamá-la em uma escola de Confeitaria em São Paulo . Era uma sala de aula bem diversificada e com muitas meninas (e poucos meninos) , então algumas vezes ficava difícil controlar essa mulherada tão tagarela .

O curso era de Confeitaria Tradicional , mas me lembro que a cada receita ou explicação de alguma técnica sempre tinha uma observação dela sobre como poderia fazer isso na versão inclusiva e como sempre eu respondia :

-Não sei kkkk, não entendo nada sobre substituição de ingredientes.

Ariadne Vasconcelos em sala de aula.

E eu não sabia mesmo, viu ? Não tinha a menor noção de como funciona esse tipo de cozinha/laboratório que tanto ela comentava. O curso foi passando e no final do primeiro ano me mudei para a Espanha para viver definitivamente, ainda me lembro da despedida com as meninas e a Pri não veio não (ela não é muito fâ disso, acho ) .

Mas… em fevereiro de 2020 começamos a conversar um pouco pelo Whatsapp para saber como estavam indo as coisas, a mudança de país, os filhos e etc. Foi quando pedi para escrever um pouco no blog da sua página a Doces de Davi, porque estava procurando um espaço para aplicar algumas técnicas de SEO que estava estudando.

Chef Pri Lorente gravando o nosso primeiro curso Bora Incluir começando do ZERO

No começo foi algo super despojado, e sem a menor pretensão de chegar em nenhum lugar (acho que eu e ela nunca pensamos que isso poderia funcionar de verdade) e fui fazendo alguns artigos, ela foi divulgando nas suas redes sociais e o seu número de seguidores do Instagram triplicou em menos de um ano.

Os projetos foram acontecendo , foi um curso e depois outro . Fomos errando, rindo e acertando juntas no posicionamento da sua marca, até que surgiu a ideia de montar uma escola online sobre Confeitaria Inclusiva e o Blog Bora Incluir ganhou um nome e uma identidade.

E hoje , 13 de maio de 2021 temos muito que agradecer a todas as pessoas que clicam no nosso site para ler os nossos artigos, que compartilham nosso material pelas redes sociais e que seguem o nosso blog , claro .

Ele é o resultado de um encontro feliz de duas amigas que não tinham a menor noção no que isso poderia se transformar. Apenas de uma coisa temos certeza: tudo que fazemos é para manter o nosso público sempre informado sobre tudo que acontece nesse mercado.

Então prepara aí, que AMANHÃ dia 14/04 tem comemoração do nosso aniversário às 15hs no Instagram da @ChefPrilorente com direito a bolo e parabéns, claroooo. Esperamos vocês lá.

#boraincluir #blogboraincluir #chefprilorente #arivasconceloscopy #academiadeconfeitariainclusivaonline/prilorente

Em destaque

O que vender no Dia das Mães 2021 ?

Essa é a segunda data com maior faturamento no ano depois da Páscoa e vamos ter dar algumas dicas de produtos e estratégia de vendas para esse ano.

Chef Pri Lorente com seus filhos Davi e Sara

“Mãe só tem uma e dificilmente alguém nega um presente pra ela”, parece uma frase clichê mas, é a pura verdade. Nesse dia tão especial onde as homenagens são para a pessoa que sempre ” sabe onde está tudo”, que “conhece nossos defeitos e qualidades” e sempre está ali na hora que precisamos. Chega a ser até simbólico querer presentear toda essa retribuição a dedicação de aos filhos.

Ariadne e sua filha Luana

Quando minha filha era pequena tinha uma camiseta com a frase : se eu não durmo ninguém dorme, kkkkkk. E é isso mesmo, a pessoa que traz uma vida ao mundo já não consegue mais ser dona do próprio tempo, ele pertence aos filhos até a idade adulta quando já são mais independentes.

E essa é a segunda data com maior expectativa de vendas, depois da Páscoa. Existem pessoas que gostam de “honrar” a mãe com presentes inusitados, na minha opinião o mais importante é a sinceridade , as vezes uma flor colhida em um jardim tem muito mais amor que um ramo caríssimo de uma floricultura. O sentimento é o que conta, por isso a maioria dos produtos estão em formato de coração. No dia dos namorados isso também ocorre só que com uma conotação diferente.

As ideias de variam muito, vão de cestas de café da manhã, almoço (cozinhar para a família no dia das mães é sacanagem né), lingeries, perfumes e eletrodomésticos , até passeio de helicóptero kkkkk. Um dos mais consumidos, sem dúvida são DOCES (chocolates , bolos e sobremesas estão no topo dessa lista), que podem ser personalizados ou não.

Buquê de flores e morangos com chocolate

Como estamos em tempos de pandemia, as comemorações em família estão mais escassas , mas os presentes não precisam seguir esse ritmo né. Uma das tendências no Dias das Mães 2021 é o buquê de morangos (que imitam um ramo de flores só de bombons de frutas recheados e cobertos com chocolate), como o dessa foto aqui ;).

Presentes na caixa também estão na moda, de preferência personalizados e com bilhetinhos escritos à mão, claro. E quanto mais criativa e inusitada for essa “caixinha” , mais emoções vai trazer para a nossa homenageada. Também não podemos esquecer aquela sobremesa deliciosa para fechar com chave de ouro.

Festa na Caixa para o Dia das Mães

O ideal para se começar a pensar em VENDAS são duas semanas antes da data no mínimo. Começamos pelo desenvolvimento do produto, a produção, fazer um estoque mínimo e aí já montar as estratégias de divulgação pelas redes sociais ou os canais de vendas que já está acostumado a trabalhar.

Levando em consideração que o mais importante é utilizar uma linguagem bem emocional para vender, com textos longos, poemas, frases de efeito, contar pequenas histórias , até mesmo contar a sua própria experiência na maternidade, isso comove quem vai comprar e vai causar uma identificação imediata. E … quando isso acontece o termômetro do faturamento vai lá no alto ;).

#blogboraincluir #boraincluir #chefprilorente #diadasmaes2021 #arivasconceloscopy #cursodocesveganos #alergicos #docesveganos #presentediadasmaes2021

Em destaque

Como substituir o leite de vaca por leite vegetal?

Existe coisa mais bonita do que uma mãe amamentando o filho? Claro que não, pois é dali que sai o alimento mais completo e nutritivo que existe para um bebê: o leite. E entre todos os mamíferos a regra é igual, ele é o alimento essencial para a sobrevivência da espécie.

Mas… quando introduzimos o leite de origem animal na nossa dieta aí começam os problemas, porque nosso corpo não está preparado digerir um leite diferente . E o resultado é uma série de distúrbios no organismo que podem ser imediatos ou não.

Leites Vegetais

Segundo nossa amiga Wikipédia também se denomina “leite” o suco de vegetais e frutas, são aqueles que nós usamos muito na Confeitaria Inclusiva, os leites vegetais ;). E para substituí-los é preciso levar em consideração dois fatores essenciais: o teor de gordura e de amido que cada um possui. O motivo disso é equilibrar esses dois itens dentro de uma receita, e como sempre o meu mantra da Confeitaria Inclusiva é :

“Toda substituição requer um reequilíbrio de ingredientes da receita”.

Leite de Castanha de Caju

Por exemplo, um leite de côco tem uma grande quantidade de gordura. Cada um têm sua característica própria. O leite de amêndoas, é o que mais se assemelha ao leite de vaca também é possui muita gordura junto com os de castanhas, côco, girassol e macadâmia.

A turma do “ricos em amido” são o de arroz e o leite de inhame. E os mais neutros são os de aveia e semente de melão (sim , é possível extrair um leite da semente de melão kkk). O meu preferido é o leite de arroz e côco porque contêm o amido e a gordura que precisamos na execução das nossas receitas inclusivas.

Existem nutricionistas que chamam de “bebida vegetal” , mas as vantagens são infinitas em comparação aos leites de origem animal. Vejamos algumas delas:

  • Podem ser consumidos por qualquer pessoa, desde que a mesma não apresente alergia ao vegetal utilizado para fazer o leite;
  • São ótimas opções de hidratação para se tomar ao longo do dia;
  • Para dietas com restrição de leite animal podem funcionar como substitutos em receitas como bolos, pães, cremes, tortas e outras;
  •  Não possuem gorduras saturadas, portanto não aumentam o colesterol ruim;
  •  São fontes de minerais como o potássio e vitaminas do complexo B;
  • Dependendo do vegetal utilizado para o preparo são ótimas fontes de fibra.

Se pode fazer “leite” de praticamente tudo a minha receita preferida é o Leite de Castanhas que você também pode fazer a versão com côco ou amêndoas.

Receita do Leite Vegetal de Castanha da Chef Pri Lorente

Uma parte de castanhas/ amêndoas / côco para 2 partes de água.
Deixar a oleaginosa hidratando em água filtrada por pelo menos 8 horas trocando a água a cada 2 horas.
Descartar a água da hidratação e bater em liquidificador com água filtrada e coar em pano se necessário.

Agora umas receitinhas extras de leites vegetais:

 Leite de soja: dentre os leites vegetais, o leite de soja é o mais mais conhecido. Para fazê-lo basta deixar a soja de molho durante 12 horas, bater no liquidificador com 3 partes de água para cada parte de soja, coar e cozinhar o líquido até a espuma sumir. Com o resíduo do leite, chamado okara, é possível fazer bolos, bolachas e até mesmo adicionar ao suco verde.

Leite de gergelim: o gergelim é um ótimo alimento para diminuir o colesterol ruim e, além disso, o seu leite apresenta mais cálcio que o leite de vaca. Para preparar o leite de gergelim você pode utilizar o gergelim preto ou bege. Deixe-o de molho de 8 à 12 horas, bata no liquidificador com 3 ou 4 partes de água e coe. Com o resíduo do leite é possível fazer uma ricota de gergelim.

Leite de linhaça: a linhaça tem a função adstringente, ou seja, é uma ótima aliada na perda de gordura. O uso dessa semente também está associado ao tratamento de problemas na pele como ressecamento, psoríase, acnes e alergias. Para fazer o leite de linhaça deixe as sementes hidratando em água durante 8 horas. Depois, bata bem no liquidificador a linhaça com água, utilizando 1 parte de água para cada 2 colheres de linhaça. Finalize coando. Para fazer uma variação também pode substituir a água por água de coco ou ainda por um chá de sua preferência ao fazer o leite de linhaça.

Leite de semente de abóbora: as sementes de abóboras muitas vezes são descartadas para apenas a polpa da abóbora ser consumida. É possível fazer um leite vegetal super nutritivo com essa semente que geralmente vai para o lixo. Para fazer esse leite basta deixar as sementes de molho por 12 horas. Para cada parte de sementes use 4 partes de água, bata no liquidificador e coe.

 Leite de aveia: a maior vantagem desse leite é o tempo de preparo. Diferente dos demais leites vegetais, a aveia não precisa ser deixada de molho, o leite não é cozido e o preparo é finalizado em poucos minutos. Para cada 2 partes de aveia em pó ou em flocos utilize 4 partes de água. Bata no liquidificador e coe. O leite dura aproximadamente 3 dias na geladeira.

 Leite de arroz: o leite de arroz é um dos leites vegetais com textura mais fina. Não é preciso deixar o arroz de molho, mas é preciso cozinhar. Para o preparo utilize 1 litro de água para cada xícara de arroz, que pode ser branco ou integral. Cozinhe por 15 minutos, bata no liquidificador e coe.

 Leite de nozes: as propriedades medicinais das nozes são muitas. Entre elas estão a redução do risco de diabetes e o aumento nos níveis de serotonina, responsáveis pelo bom humor. Para fazer o leite de nozes basta bater 2 copos de água para cada copo de nozes e coar até obter a textura desejada.

 Leite de girassol e inhame: esse leite é muito energético e ótima fonte de vitamina E. Para prepará-lo deixe as sementes de girassol de molho durante 12 horas. Depois, bata as sementes de girassol com água e um inhame pequeno descascado e picado. O leite pode ser guardado por apenas um dia, na geladeira.

Leite de quinoa: o leite de quinoa é rápido e fácil de ser preparado. Utilize 2 xícaras de água para 4 colheres de quinoa. Coloque tudo dentro do liquidificador e deixe de molho durante 15 minutos. Depois bata durante 1 minuto e está pronto. Não é necessário coar.

#blogboraincluir #boraincluir

#chefprilorente #academiadeconfeitariainclusivaonline/prilorente

#leitesvegetais #arivasconcelocopy

Em destaque

Por que comemos Ovo de Chocolate na Páscoa?

Todo ano é a mesma coisa… já em dezembro as confeitarias, indústrias e os pequenos e médios empreendedores começam a se planejar para a época de maior faturamento $$$, a Páscoa.

Ovo recheado com ganache da Chef Pri Lorente

Quem nasceu primeiro, o Ovo ou a Galinha? É óbvio que foi a nossa amiga cocoricó, senão o primeiro item não existiria, rsrsrs. Só que nessa época do ano ninguém se lembra dela quase. A estrela que brilha mais é o ovo de chocolate.

E você sabe por que presenteamos tantos Ovos de Páscoa?

Pois, tudo começou com os Persas há uns 5.000 anos quando queriam desejar felicidades para alguém davam um ovo de galinha (para eles isso era o símbolo da fecundidade e renovação). E .. como eles viajavam muito acabaram levando esse costume para a Europa que incorporou na festa de Páscoa, onde se comemora a ressureição de Jesus Cristo. Nesse período não se podia comer carne , ovos e nenhum derivados do leite. Então, toda a produção dos camponeses ficava acumulada e no dia do renascimento de Cristo comiam tudo.

Lá pelo século XIX, na Rússia uma família de Czares também começou a cultivar ovos de luxo, pintados a mão e decorados com joias, mas … sem o chocolate, claro. Eram apenas para apreciar , rsrsrs. Então, surgiu a tradição dos famosos Ovos Fabergé .

Mas, foi em meados do século 18 que os franceses que começaram a “mudar” o ovo de galinha, eles tiravam a gema e clara e recheavam com chocolate. Alguns anos depois um francês chamado François Louis Cailler abriu a primeira fábrica de ovos de chocolate em 1819.

Ovos recheados com chocolate e pintados a mão .

Existe uma outra versão também que aponta que o hábito de presentear ovos de galinha vêm até antes de Cristo, eles eram trocados na época da Primavera em tributo a renovação da natureza. Nessa época eram pintados com corantes naturais de beterraba, açafrão , espinafre, sempre predominando a cor vermelha entre eles. Já a versão com chocolate vem dos franceses mesmo, como comentamos no parágrafo anterior.

Mas… e o coelho , o que ele faz nessa história?

Ele também é um símbolo de fertilidade e nova vida, porque costuma ter muitas ninhadas. Quem nunca ouviu aquela frase sobre uma mulher que tem muitos filhos ser chamada “coelha”, rsrsrs.

A origem do coelho da Páscoa remonta ao século XIII, na Alemanha pré-cristã, quando as pessoas oravam a vários deuses e deusas. Eostre ou Ostara era o nome da deusa da primavera, a estação do “renascimento” e da “renovação” e o seu símbolo era um coelho, devido às suas elevadas taxas de reprodução.

E a primeira lenda que foi documentada sobre isso começa entre os anos 1500 e 1680 onde surgiu uma história de coelhos que punham ovos e escondiam no jardim. E foram os alemães que levaram esse costume para os Estados Unidos, onde essa tradição é muito forte e no Brasil também né, a famosa “Caça aos Ovos”.

Desejamos a todos uma Feliz Páscoa, com muito amor , caridade , reclusão (estamos na pandemia né, não dá para ficar passeando por aí ) recheada de muitos ovos, cenouras e coelhos de chocolate 😉 .

#boraincluir #blogboraincluir #chefprilorente #arivasconceloscopy #academiadeconfeitariainclusivaonline/prilorene #Páscoa2021

Em destaque

Como aprender a organizar o seu tempo e empreender na Confeitaria Inclusiva.

Aprender a organizar o tempo, principalmente para as mulheres empreendedoras é um fator crucial na hora de começar um negócio.

Chef Pri Lorente , Confeiteira Inclusiva

“O DIA SÓ TEM 24 HORAS! É muito pouco”. Essa é uma das frases que muitas mulheres pensam e falam quando o acúmulo de tarefas começa a entrar em “fase vermelha”, seja por causa do lar, filhos, marido (que também dá muito trabalho rsrsrs) , negócios e estudos. Isso deve ser interpretado como um alerta, estamos ficando sem tempo para fazer tudo e a consequência é: ligar o botão automático, em outras palavras , ir executando as tarefas diárias sem aquela vontade de antes.

E por este ser um sentimento comum entre nós mulheres, surgiu a ideia de convidar uma amiga nossa a Adriana Espindola que tem um trabalho completamente direcionado para Empreendedores da Confeitaria para nos ajudar a conhecer novas ferramentas e enfrentar esses momentos difíceis da vida.

Adriana Espíndola Coach para Empreendedores da Confeitaria

Segundo Adriana, o coaching é uma treinamento comprometido com o desenvolvimento do potencial do ser humano, o que também poderíamos chamar de “extrair o melhor de si”. Por isso é que vemos coach em vários setores , life, para mães, para emagrecer e por aí vai. Na minha opinião é algo que todo mundo deveria experimentar um dia na vida porque o resultado é realmente enriquecedor como ser humano.

Lembrando que isso não é uma ferramenta de auto ajuda, nem mentoria ou psicologia, tá !

É considerado conjunto das competências e habilidades que podem ser aprendidas e desenvolvidas por absolutamente qualquer pessoa pra alcançar um objetivo na vida pessoal ou profissional até 20 vezes mais rápido, e isso está comprovado cientificamente.

Entre vários exercícios dentro do universo do Coaching escolhemos a Roda da Vida para revisar se estamos em equilíbrio com o nosso tempo. É bem simples e o ideal é que esse “check-up” interno seja feito a cada três meses, exatamente para evitar aqueles períodos e stress e falta de vontade que comentamos no começo desse post.

Começamos desenhando uma roda em um papel e colocando todas as áreas da nossa vida (não vale pular aquela que a gente não gosta, hein) . A ordem é indiferente , o importante é que estejam todas. Por exemplo: saúde, amigos, finanças e economia, família, desenvolvimento pessoal, relações pessoais, diversão e trabalho. Vamos dividindo a roda igual essa foto aqui embaixo :

Roda da Vida exercício de Coaching

Em seguida podemos ir colocando números de 1 a 10 por exemplo, ir pintando de cores diferentes cada linha ou apenas escrevemos o que é importante para o nosso momento atual. Dá uma olhada nessa aqui embaixo. Existem vários tipos, inclusive você pode pegar uma roda em branco e ir construindo do seu jeito.

Roda da Vida personalizada

Após a conclusão, é claro que muita coisa dentro da gente precisa mudar e de preferência para melhor, claro. Mas… é importante começar isso desde as áreas que estão mais positivas, por exemplo se está trabalhando muito e deixando poucas horas para a família talvez seja hora de delegar um pouco de tarefas ou fazer mais planejamento para não passar tanto tempo no ambiente profissional . Um hora a mais com os filhos ou um jantarzinho a sós com o maridão pode fazer uma grande diferença hoje e também fortalecer laços futuros.

Também é legal reconhecer quais são as áreas que podem melhorar e potencializar nossas habilidades nelas, como estudar para crescer no seu emprego, ou fazer aquele curso dos seus “sonhos”. E por falar em curso o nosso começa na semana que vem dia 22/03 os Fundamentos da Confeitaria Inclusiva, 1ª edição.

E para quem quiser conhecer um pouco mais sobre o trabalho da Adriana e seu projeto “Quebrando a Forma” (um treinamento que está mudando a perspectiva de muitos empreendedores da Confeitaria, onde ela vai treinar o seu “Ser Empreendedor” a reconhecer todo o processo que nos leva a querer trabalhar por conta própria , como tirar o maior proveito disto, como conectar a nossa auto- confiança e desenvolver nosso potencial ao máximo ) é só seguir o seu Instagram @adrianaespíndolacoach .

E hoje dia 17/03 nós vamos estar numa LIVE às 15hs lá no Instagram da @chefprilorente (desde Brasil), a Adriana Espíndola (desde Argentina) e Ariadne Vasconcelos (desde Espanha), para fazer essa Roda da Vida com a Chef Pri Lorente. Ah, como Adriana não fala português a live será em espanhol, português e portunhol também. Esperamos vocês , lá ;).

#blogboraincluir #boraincluir #chefprilorente #adriandaespindolacoach #empreendorismofemenino #empreendorismonaconfeitaria#arivasconceloscopy

Em destaque

Xilitol ou Eritritol, qual a melhor opção para substituir o açúcar?

São duas opções fantásticas para substituir o açúcar, mas sem perder o sabor dos seus doces.

Macaron Vegano da Chef Pri Lorente

Quando pensamos em uma dieta para emagrecer a primeira coisa que surge na cabeça é “cortar o açúcar” o que nos leva automaticamente a prestar mais atenção no que existe na prateleira dos adoçantes.

Pouca gente sabe que eles são artificiais e muito prejudicais à nossa saúde porque são uns “enganadores” do nosso cérebro, achamos que são substâncias nutritivas, mas na verdade não é nada disso, causam mais fome ainda e contribuem para um mal funcionamento do nosso sistema digestivo.

Porém, existem os chamados “álcoois de açúcar” que são carboidratos muito semelhantes ao açúcar , que não são absorvidos completamente pelo nosso organismo. Existem duas “estrelas” que conquistaram o mundo pela sua praticidade e por substituir perfeitamente o sabor do açúcar: o Eritritol e o Xilitol.

O Xilitol é proveniente das espigas de milho (que curioso né ) , depois de extraído é cristalizado e assim já está pronto para o consumo. Também podemos encontrá-lo em algumas frutas e verduras em proporções muito pequenas e insuficientes para fazer a cristalização.

Ele tem um gosto praticamente igual ao açúcar só que com 40% menos de calorias, não é absorvido pelo intestino por isso não produz insulina, causando menos danos à saúde. Também é um forte aliado dos dentes, porque não fermenta na boca, causando menos cáries ;).

Xilitol

Mas… nem tudo são benefícios, se for consumido em excesso pode causar gases, inchaço e diarreia. Portanto, CUIDADO com as quantidades que vai consumir e nunca adoce nada para seu pet porque ele é muito tóxico para os animais.

Já o Eritritol é uma outra opção “saudável” para adoçar suas receitas tem origem nos vinhos, queijos e algumas frutas. Mas, a maior concentração está no milho, igual ao Xilitol só que ele é custa muito mais para ser produzido, o que reflete no seu preço $$$. É um produto bastante caro no mercado de produtos naturais.

Também tem o sabor semelhante ao açúcar, não possui calorias e não causa cáries (os dentes agradecem, né) . Ah! E uma outra característica super importante é que tem um efeito antioxidante na corrente sanguínea , trazendo inúmeros benefícios para quem consome com frequência.

E os efeitos colaterais são os mesmos do xilitol diarreia, inchaço e gases. Tudo vai depender das quantidades e do organismo também, claro. E ele é absorvido completamente pelo organismo, o ideal para pessoas diabéticas.

E agora a pergunta que todo mundo faz é :

XILITOL OU ERITRITOL? Qual a melhor opção?

E a resposta é DEPENDE.

  • Se pensamos na saúde dos dentes o Eritritol é melhor.
  • Para evitar problemas digestivos o Eritritol sai na frente porque ele é absorvido totalmente pelo nosso organismo.
  • E para não ter aumento de açúcar no sangue o Eritritol é mais recomendado principalmente para os diabéticos , já o Xilitol vai alterar um pouco mais isso.
  • O preço também é um fator que vai influenciar na hora de comprar o seu substituto do açúcar. O Eritritol sempre vai ser um pouco mais caro que o Xilitol.

Agora que já sabemos as principais diferenças entre eles fica fácil decidir qual devemos comprar para fazer aquela receita deliciosa SEM AÇÚCAR , mas sem perder o sabor ;).

Segue uma receita super fácil de Bolo de Cenoura da Chef Pri Lorente .

Bolo de cenoura Sem Glúten, Leite e Ovos


Ingredientes Liquidificador

  • 100 ml óleo refinado
  • 150 ml água
  • 250 g de cenouras cruas descascadas
  • Ingredientes secos
  • 60 g eritritol ou xilitol 
  • 200 g de farinha de arroz
  • 100 g de fécula de batata ou amido de milho
  • 10 g de goma xantana ou CMC
  • 10 g de polvilho doce
  • 15 g de fermento químico


Modo de fazer:

Adicionar os ingredientes secos aos ingredientes do liquidificador com o auxílio de um fouet ou batedeira em velocidade baixa. A massa deve ficar lisa e cremosa. Acrescentar por último , 20 ml de vinagre branco (maçã ou álcool) e misturar rapidamente. Despejar a massa em forma untada apenas com óleo e assar em forno pré aquecido a 180°C.

#blogboraincluir #boraincluir #chefprilorente #academiadeconfeitariainclusiva/prilorente #cursosdocesveganos #docesveganos #alergicos #arivasconceloscopy

Em destaque

Qual a diferença entre Trufa e Ganache?

Os ingredientes são praticamente os mesmos, mas existem algumas diferenças entre essas duas receitas.

Bombom de reduçaõ de vinagre balsâmico com ganache de frutas vermelhas Ariadne Vasconcelos .

A Páscoa está chegando e o que mais se escuta na internet é sobre ovos de chocolate, pode ser trufado, com ganache, com brigadeiro, com pudim, em pé, recheado, com mousse, com sei lá o que mais , rsrsrsrs. Tem para todos os gostos e bolsos também, porque um produto artesanal pode custar bem mais caro que um industrializado.

Mousse Chocolate Chef Pri Lorente

Existem muitas pessoas que vendem ovo recheado dizendo que é trufado . Mas… na verdade é uma mousse, o que não tem nada a ver com ganache e trufa, pois é uma preparação gelada feita a base de um creme (que pode ser uma ganache) + gelatina ou agar agar (ou não, depende da receita) + creme de leite (animal ou vegetal) montado = MOUSSE.

Os termos técnicos sempre causam muita confusão, principalmente se quem está vendendo o produto quer colocar nome “chique” para poder cobrar $$$ mais. Por exemplo, um ovo de brigadeiro dizer que é um brigadeiro trufado . Isso não existe mesmo, rsrsrs.

Trufa de chocolate meio amargo

A receita da trufa e da ganache na confeitaria tradicional, é praticamente a mesma consiste em : chocolate derretido + creme de leite quente (de origem animal ou vegetal) e a principal diferença é na apresentação pois, a ganache sempre vai ir no interior de alguma sobremesa , como um bombom por exemplo. Já a trufa é uma bolinha banhada no chocolate (ou não) e passada no chocolate em pó . Quando falamos de Confeitaria Inclusiva, o creme de leite pode ser substituído por Leite vegetal bem concentrado e com maior porporção de gordura, por exemplo, leite de amêndoas ou leite de côco.

Outra diferença interessante é que a ganache na confeitaria tradicional sempre vai levar uns 10% do seu volume total em manteiga, que dá mais sabor e umidade . Também se acrescenta o açúcar líquido invertido para aumentar a sua vida útil . Então, quando você vê uma ganache sem manteiga também pode dizer que é um recheio “trufado”. Na Confeitaria Vegana ou Inclusiva, utilizamos a manteiga de côco que é bem parecida com a manteiga de origem animal, tanto em aroma (ainda que sejam aromatizadas artificialmente), quanto em textura e sabor.
Uma outra sugestão é a gordura de palma, mas o resultado não é tão bom quanto a manteiga de côco! Já o óleo de côco não é indicado para esta preparação, uma vez que não é tão cremoso quanto as sugestões anteriores!

Eu costumo dizer que o chocolate é algo tão mágico dentro da Confeitaria que se pode transformar no que quiser, basta querer e ter a famosa “criatividade” para isso. E por isso quero deixar algumas dicas de como fazer sua ganache/trufa perfeita:

Ovo de Páscoa com recheio de ganache de caramelo da Chef Pri Lorente
  • Primeiro derreta o chocolate no microondas de 30 em 30 segundos, mexendo sempre, ou no banho maria se quiser. Também pode ser chocolate picado se preferir.
  • Esse processo pode ser feito no microondas de 1 em 1 minuto na potência média, sempre mexendo. Chocolate não gosta de ficar parado!
Chocolate picado com creme de leite quente
  • Aqueça o creme de leite sem deixar ferver para evitar a separação da gordura que existe nele. (a técnica vale tanto para creme de leite de origem animal quanto vegetal!)
  • Mistura o chocolate derretido com o creme de leite sempre com o nosso melhor amigo, o FOUET.
  • Isso é para emulsionar sua mistura, também vale para quando sua ganache/trufa fica separada como esta aqui.
Ganache separada
  • Se sua receita ficou muito ruim mesmo, você ainda consegue “salvar” sua ganache/trufa com o mixer.
Ganache correta
  • Para fazer a ganache acrescente sempre a manteiga em pomada (quando está meio mole , mas você ainda consegue colocar um dedo sem desmanchar) com o pão duro, nunca com o fouet. Isso evita a separação da gordura também.
  • Conserve em temperatura ambiente se puder ou na geladeira se tiver pressa , claro.
  • A proporção do creme de leite ou leite vegetal vai variar de acordo com o tipo de chocolate que está trabalhando, um chocolate branco vai precisar de mais quantidade do que o meio amargo, mas as variações de chocolate branco dentro da confeitaria vegana e inclusiva são gritantes, portanto as proporções irão variar de acordo com as marcas que vc utilizar!
  • Não esqueça que nossa Confeitaria Inclusiva é um laboratório e não temos muito padrão nos insumos que utilizamos! Já separa um caderninho para anotar cada variação dos seus testes!
Bombons sortidos de Ariadne Vasconcelos

CHOCOLATE MEIO AMARGO – 200 gr de chocolate meio amargo + 100ml de leite de côco concentrado = TRUFA . Para fazer a ganache acrescente 30 gr de manteiga de côco em pomada sem sal.

Che Pri Lorente , fundadora da Academia de Confeitaria Inclusiva

E hoje às 15hs você pode acompanhar uma receita deliciosa de umas das tendências desta Páscoa 2021 o OVO ESFERA em pé, que a Chef Pri Lorente vai fazer no seu Instagram. Não perca!

#boraincluir#blogboraincluir#chefprilorente#doces#veganos#alergicos#arivasconceloscopy#academiadeconfeitariainclusiva/prilorente #pascoa2021

Em destaque

O que você sabe sobre fermentação natural sem glúten?

Pão sem glúten da Chef Pri Lorente

Estamos de volta e “fermentando” igual um pãozinho 😉 em processo de planejamento de várias novidades tanto aqui no Blog como na Academia de Confeitaria Inclusiva da Chef Pri Lorente, e nada melhor que começar com o pé direito falando sobre esse processo da panificação sem glúten que não é tão complicado assim como parece.

Mas…. vamos começar falando do “bichinho” que dá origem a tudo isso, a bactéria e a levedura. Isso mesmo, tudo que envolve qualquer tipo de fermentação natural vai ser o desenvolvimento da bacterinha , ou a criação dela podemos dizer assim. Pode ocorrer na temperatura ambiente ou até mesmo na geladeira e, pode parecer estranho mas é super normal ter um “levain” durante alguns dias refrigerado tanto na Panificação Sem Glúten como na Panificação Tradicional.

O fermento natural consiste na mistura de farinha e água, sendo fermentado
por bactérias e leveduras, que podem ser adicionadas ou obtidas do próprio meio
ambiente onde se armazena . Ele também pode ser obtido com a utilização de frutas, iogurtes entre outros e é composto basicamente de bactérias ácido láticas, onde a espécie mais encontrada é a Lactobacilos e por leveduras na sua maioria.

Fermento Rejuvelac feito a base de quinoa.

Também existem os fermentos biológicos, aqueles do supermercado que nós já conhecemos (seco e fresco) , mas a levedura é diferente do natural, claro. Só que a função dele é a mesma dentro da receita (converter o açúcar em gás carbônico e etanol) . Nesse caso já não podemos classificar esse resultado como feito com produtos 100% naturais.

Além do fermento, também temos nesse processo a água, o ar, as farinhas ( que podem ser de arroz, tapioca ou fécula de batata) , o açúcar que “alimenta” o crescimento transformando-se em gás carbônico, que provoca o aumento de bolhas no seu interior, permitindo assim o desenvolvimento correto da massa , o sal e a gordura (poderia ser óleo ou azeite) . Na panificação sem glúten os pães são muito ricos em amido Então vale a pena lembrar que quanto mais lenta for a fermentação melhor será o seu resultado final.

Ah, também temos o psyllium que faz o papel do glúten quando não temos ele presente, dando aquela elasticidade que todo pão precisa ter . Basicamente é uma fibra natural que contribui muito para o bom funcionamento do intestino e, por absorver muita água é o produto ideal para dar a textura perfeita. Pode ser encontrado em lojas de produtos naturais e pela internet também. Claro que dá para fazer receitas sem ele, mas se puder colocar melhor.

Ariadne Vasconcelos , Professora de Confeitaria e Copywriter.

Agora vamos ver um pouco como VOCÊ pode fazer o seu próprio fermento natural o REJUVELAC (PROBIÓTICO) , ele serve tanto para panificação como para quejios. E uma das novidades desse ano aqui no blog é que agora quem vai fazer essa receita sou eu (Ariadne) rsrsrsr. Vou trocar de lugar com a Pri na cozinha e aprender como funciona esse mundo tão interessante da Cozinha e Confeitaria Inclusiva. Fica de olho no meu Instagram (@ariadne_vasconcelos) e no da Pri (@chefprilorente) que eu vou te mostrar todo esse processo de fermentação natural e é claro, vou “tentar” fazer uma receita de queijo fermentado a base de castanhas. Será que eu consigo? 😉

REJUVELAC (O fermento Juvenal da Pri Lorente e da Ari) .

Ingredientes

  • 1 xícara de quinoa branca orgânica em bolinhas
  • Água mineral
Ingredientes do fermento .

MODO DE PREPARO

1ª dia – Coloque a quinoa em uma jarra de vidro com uma xícara (chá) e misture. NÃO use colher de metal, pois isso pode matar o fermento e deixe em um ambiente escuro para fermentar (pode ser dentro do forno desligado mesmo) e com um pano fino em cima, pode ser até um perfex limpo. Deixe ele ali “quietinho” por 3 dias.

4ª dia – Escorra a água e coloque mais 6 xícaras (chá) de água . Deixe ele no “escurinho” ainda por mais 3 dias .

7º dia – Para certificar se o rejuvelac está fermentando é bem fácil, ele tem que estar com um sabor e um cheiro de vinagre. É meio fedorento kkkkk, mas é assim mesmo. Ah, também é normal que fique uma película esbranquiçada na superfície.

8ª dia – Peneire a quinoa e conserve o fermento na geladeira em um pote hermético de vidro. Lembrando que ele dura entre 2 semanas e um mês na geladeira.

#boraincluir#blogboraincluir#chefprilorente#academiadeconfeitariainclusiva#levain#fermentaçãonatural#arivasconceloscopy#jornalismogastronomico

Em destaque

Quais serão as tendências do Marketing Digital para Confeiteiras em 2021?

As férias já acabaram! E estamos de volta com todo o gás para trazer aqui no blog vários temas relacionados ao mercado da Confeitaria Inclusiva e vamos começar falando sobre o que vai estar em alta .

Ariadne Vasconcelos do Nascimento, Copywriter e Professora de Confeitaria

Esse ano já começou bem, com o mundo começando o processo de vacinação para conter a pandemia, mas não podemos criar muita expectativa porque até o “mundo” todo estar vacinado vai levar um tempo. E o resultado de tudo isso vai ser um ano um pouco parecido com 2020 . Segue abaixo quais serão as principais tendências .

  • Instabilidade ( se você tem um comércio aberto vai ter que continuar com o seu sistema de delivery e encomendas via telefone e internet) e se trabalha em casa fazendo encomendas as coisas não vão mudar muito.
  • Necessidade de contato humano (as pessoas estão muito “carentes” então , aquele bilhetinho escrito à mão na sua encomenda ou um enviar um “mimo” para seus clientes (um pão de mel de degustação por exemplo, mesmo que não estejam fazendo grandes compras vai ajudar manter a conexão emocional ).
  • Tudo que postar no Instagram e Facebook tem que estar com o propósito de engajar seus clientes e seguidores. Se você tem menos de 200 mil seguidores poste pelo menos duas vezes ao dia no feed e “abuse” dos Stories no seu Instagram. Lembrando que ali as pessoas estão para se “inspirar”, então não pode sempre ter post vendendo seu produto, o ideal é fazer dois post de conteúdo e um de venda (como você pesa o seu brigadeiro por exemplo é um tipo de conteúdo) . Fazer perguntas para seu público, caprichar nas fotos, e falar um pouco da sua rotina pessoal (sem exagerar tá, senão as pessoas confundem) tudo isso resulta no tal “engagment” que os marketeiros tanto falam.
  • Saber exatamente qual é o propósito da sua marca (POR QUE ela existe? E para QUEM existe? ) . Essa é uma pergunta que todo empreendedor deve fazer antes de montar o seu logo profissional.
  • Ter a sua marca conectada a causas ambientais, igualdade de direitos e alimentação saudável (na Confeitaria Inclusiva já temos um pouco disso porque os produtos são menos “industrializados” que na Confeitaria Tradicional) . Mas, é importante sair de “cima do muro”, por exemplo se você é contra plástico entregue seus produtos em sacolas de papel e mostre isso na redes sociais, utilizando as handstags # referentes.
  • Trabalhar com o calendário de datas anual, já pensando em produtos e novidades para o ano inteiro. Como a economia vai demorar para voltar ao normal mantenha uma parte dos seus produtos em tamanhos menores e com preços mais acessíveis.
  • Escutar e investigar o seu cliente para conhecer absolutamente tudo que pensa e em que você pode AJUDAR (é aquela famosa frase que todo mundo coloca no seu stories : Como posso te ajudar?) . Isso é muito importante até na hora de criar um novo produto para o seu cardápio.
  • Aprender Copywriting (redação persuasiva) vai te ajudar a vender qualquer coisa na internet, mas isso é um processo bem mais complexo do que parece e eu vou dedicar o próximo post todinho para esse assunto ;).
  • Fidelizar vai ser mais importante do que captar novos clientes, se você já tem a sua clientela montada tenta cuidar e conservar o máximo que puder. Não é momento de fazer lançamentos astronômicos nem mudanças radicais nos seus produtos.
  • Montar o seu conteúdo sempre focando em “falar” com os seus clientes em uma linguagem coloquial e pessoal.
  • Fazer vídeos curtos e utilizar em reels e Tik Tok.
  • Utilizar o Canva para fazer pequenos textos ou promoção de produtos com arte para seu Instagram é muito fácil para conhecer acesse https://www.canva.com , é bem simples de usar e tem versão gratuita e paga.
  • Vendas por WhatsApps vão continuar disparando (prometo também dedicar um post sobre isso em breve kkkk) . Se você ainda não vende fique atento a essa ferramenta que é um recurso poderoso em tempos de crise.
  • Personalize o seu marketing o máximo que puder (logo, cores, vídeos, produtos, conteúdo) , lembrando que o marketing de conteúdo é o que vai te manter sempre na frente dos concorrentes, copiar nunca foi um bom negócio, seja ORIGINAL.

#blogboraincluir#boraincluir#confeitariainclusiva#chefprilorente#marketingdigitalparaconfeiteiras#copywritingparaempreendedores#arivasconceloscopy#jornalismogastronômico

Em destaque

#2020MEENSINOU por Chef Pri Lorente e Ariadne Vasconcelos

O ano não foi fácil (: , mas está chegando ao fim e nesse artigo queremos compartilhar com você um pouco do que aprendemos.

Chef Pri Lorente

DIFICULDADE, acho que essa foi umas das palavras mais escritas na internet, e disso eu entendo porque tenho um filho alérgico e a Doces de Davi começou por causa da necessidade de ter mais opções para crianças alérgicas. Mas… apesar de passarmos poucas e boas no Brasil e no mundo inteiro aqui estamos e o melhor de tudo: ESTAMOS VIVOS ;).

E é exatamente por isso que eu acho que #2020meensinou a ser mais “metódica” com tudo na minha vida e principalmente com o meu trabalho. Aprendi a organizar o meu tempo de maneira mais eficiente . Mas… É POSSÍVEL APROVEITAR O FINAL DO ANO SENDO UM EMPREENDEDOR? Em primeiro lugar pense que : NATAL E ANO NOVO SÃO  PARA TODOS!

Então… se trabalha sozinha e por conta própria como eu, estabeleça um horário “razoável” para as entregas. , CONGELE O MÁXIMO QUE PUDER, desde massas até decorações. Quanto mais produção tiver semi-pronta menos vai ser o risco de imprevistos.

Ah, muito importante, em hipótese nenhuma aceite pedidos as 23:30 hs porque está precisando do dinheiro, as pessoas tem que ter um mínimo de respeito pelo seu direito de poder festejar. Se o cliente não gostou, paciência. No próximo ano garanto que ele não vai fazer o mesmo.

Também é legal ter uns 30% a mais de produtos no estoque , para o caso de encomendas de última hora (aqueles atrasadinhos de plantão, rsrsrsrs) e faça um cronograma de produção de até um mês antes para não atrapalhar o seu fluxo normal de pedidos.

Ariadne Vasconcelos, Professora de Confeitaria, Jornalista e Copywriter.

OTIMISMO, mesmo que essa não tenha sido umas das palavras mais escritas na internet foi a que eu tentei repetir quase como um mantra nesse ano tão complicado. Pois, acredito que todo mundo teve um pouquinho disto no coração misturado com o medo a aflição que passamos nessa pandemia. É a tradução daquela famosa frase “no final vai dar tudo certo” ou “já deu tudo certo” principalmente porque estamos aqui e VIVOS 😉 , como disse a minha amiga Priscila Lorente.

Para mim #2020meensinou a ter mais FOCO nos meus objetivos profissionais, mesmo não podendo estudar o tanto que eu gostaria por causa da pandemia. Consegui aplicar muitos conhecimentos na marca da Doces de Davi e em alguns projetos aqui na Europa também. Mas… confesso que o eu mais gostei de fazer foi escrever esse Blog. Nossa, como eu aprendi e acredito que ainda nem “começamos” direito, rsrsrs.

E por isso, eu e Chef Pri Lorente te desejamos um FELIZ NATAL vencendo todas as DIFICULDADES e com muito OTIMISMO.

Chef Pri Lorente e Ariadne Vasconcelos

Em destaque

FAÇA o seu Natal diferente com uma Torta Banoffee .

O nome dela é Banana + Toffee (caramelo) = Banoffee , mas a sua origem é uma versão inglesa inspirada em uma receita americana que conquistou paladares europeus e brasileiros.

Torta Banoffe por Silvia Buck da Handmade Sweets

Se você pensa que é só no Brasil que gostamos de sobremesas muito doces, está completamente enganado. Pois, a origem dessa receita é inglesa, rsrsrs. Na realidade a “inspiração” é americana e vem da “Blum’s Coffee Toffee Pie”, mas os Chefs  Nigel Mackenzie e Ian Dowding  do restaurante The Monk Restaurant que criaram essa versão . E acredite se quiser, o doce de leite foi feito com leite condensado cozido na panela de pressão, igualzinho fazemos aqui no Brasil ;).

Ela nasceu no ano de 1974 , depois de várias tentativas de utilizar alguma fruta que combinasse com doce de leite foi morango, mexerica, maçã até chegarem na banana que não tinha tanta acidez, o resultado dessa combinação foi imediato e um sucesso porque não conseguiram mais tirar do cardápio. Na minha opinião é como se fosse o nosso brigadeiro daqui, praticamente todo mundo gosta.

No caso da Inglaterra vale a pena ressaltar que essa é a sobremesa preferida da maioria dos britânicos, inclusive a Dama de Ferro Margaret Thatcher .

Torta Banoffe Inclusiva por Chef Pri Lorente

Para compensar o alto grau de açúcar que leva o leite condensado a cobertura é feita com uma mousse ou um creme de queijo Philadelphia (olha a herança americana, aí ) que acabou virando uma combinação bem clássica da Confeitaria = banana+ doce de leite +queijo. No Brasil também podemos ver esse conceito bem refletido principalmente na confeitaria Mineira, que é uma maravilha né . Quem não gosta de um pedaço de queijo mineiro com uma colherada generosa de doce de leite?

Torta Banoffe por Silvia Buck

Eu já sei que esse vai ser a sua sobremesa esse ano ;). Acertei?

Mas…. pensando na correria que sempre acompanha o Natal como podemos passar essa data tão especial com tranquilidade (já que esse ano foi muito pesado, não é mesmo?) . Comece primeiro conversando com seus familiares para saber quem virá para a festa e principalmente quais opções a pessoa alérgica poderá consumir.

Faça as compras com antecedência SEMPRE ! Para não ficar preso em uma fila de supermercado só para comprar aquele ingrediente especial que faltava na sua receita. O que puder ser CONGELADO, não perca tempo e adiante o processo. Por exemplo essa torta aqui pode ser feita com antecedência sem problemas.

E se ficou curioso aqui está a receita dela na versão INCLUSIVA feita pela Chef Pri Lorente que ela vai fazer HOJE na LIVE às 15hs no Youtube .

Torta Banoffee

Massa:

105 gr de farinha de aveia

3 gr de fermento químico

20 gr de óleo de côco

30 gr de açúcar

85 ml de água

Recheio:

150 gr de açúcar refinado

1 litro de leite vegetal

40 gr de amido de milho

10 gr de gordura de palma

10 gr de glucose

1 banana nanica cortada em rodelas .

Cobertura

30 gr de aquafaba

30 gr de açúcar refinado

RENDIMENTO: Uma torta de 16 cm de diâmetro.

#blogboraincluir#boraincluir#chefprilorente#arivasconceloscopy#cursosdocesveganos#docesveganos#veganfriendly#veggie#veganas#apvl

Em destaque

A Confeitaria do Presente por Rodrigo Ribeiro

Um dos representantes do Brasil na Coupe du Monde de la Pâtisserie 2021 revela que Confeitaria Inclusiva não é só um tendência do mercado e todo chef precisa saber mais sobre o assunto.

Chef Rodrigo Ribeiro

Ele queria ser veterinário ou militar , mas acabou decidindo ser confeiteiro. Para a nossa sorte ;). Sua trajetória começou cedo, aos 18 anos em uma padaria fazendo pão francês na sua cidade natal São Paulo. Mas … era um trabalho mecânico e sempre a mesma receita, o que não combinava nada com seu estilo criativo. Depois de um ano conseguiu um trabalho em um restaurante francês (nessa época já cursava a faculdade de Gastronomia) e daí não parou mais. Fez estágio no famoso restaurante de Alex Atala, o DOM , trabalhou no restaurante Mani de Helena Rizzo, Manjare, La Guapa da Paola Caroselha, Oro entre outros .

Também passou uma temporada no Rio de Janeiro já trabalhando com a Confeitaria de Vanguarda, sua paixão. E no meio disso foi ganhando vários prêmios em concursos como o Gran Chefs da Revista Padaria 2000 , o programa Que Seja Doce da GNT . Nessa época já começou a ser convidado para dar aulas em escolas de confeitaria . Ufa!!! E tudo isso com entre os seus 23 e 24 anos mais ou menos .

Chef Rodrigo Ribeiro no restaurante Peti em São Paulo

Até que…. ele fincou raízes por alguns anos no restaurante Petí em Sampa, onde podia dar “asas” a sua criatividade (foi ali que fizemos essa entrevista fazem alguns anos) . Ele estava “em casa” porque suas ideias combinavam perfeitamente com as do Chef o cardápio mudava a cada 15 dias, era o cenário perfeito para desenvolver todos os seus conhecimentos. E eu já comecei perguntando:

Ariadne : O que te levou a apaixonar-se pela Confeitaria?

Ariadne e Rodrigo no restaurante Peti

Rodrigo: Eu sou um cara muito sistemático , sou virginiano e a disciplina de ter que pesar todos os ingredientes para a execução das receitas da Confeitaria se encaixa com esse meu jeito de ser.

Ariadne : Quais são os seus principais critérios na hora de criar uma sobremesa?

Rodrigo: Eu gosto de transformar algo pequeno como um bombom , por exemplo em um prato. Gosto de expandir os ingredientes. Sempre tenho em mente a textura e acidez como elementos principais para a criar algo diferente. Uma vez o Chef Luiz Farias me disse que: “fora do Brasil eu seria mais entendido , aqui não” . Gosto do conceito de “desconstruir” uma sobremesa, fazer ela ao contrário.

Ariadne: Qual foi a melhor e a pior sobremesa da sua vida?

Sobremesa do Chef Rodrigo Ribeiro

Rodrigo: Acho que, segundo a opinião dos clientes a melhor foi uma Panacotta de Manjericão com Morangos Marinados com Ruibarbo, pérolas de aceto balsâmico e crumble de gengibre, e a pior foi um Mil Folhas Invertido, onde utilizei o conceito de desconstrução que citei acima, mas a sobremesa ficou com um alto teor de gordura e não agradou muito.

Ariadne: Qual o doce mais “simples” que você come?

Rodrigo: Olha eu não sou muito de comer meus doces não (risos) , só quando estou no processo de produção de uma receita nova, mas em casa gosto de comer morangos com leite condensado e um bom pedaço de chocolate ou bombom depois da janta, claro. Isso não pode faltar!

E hoje lembrando dessa deliciosa entrevista, vi pelo seu Instagram @rodrigoribeirogourmet que ele tem um módulo sobre Confeitaria Inclusiva no seu curso. Claro que eu não perdi a oportunidade e fui perguntar qual a importância para um Confeiteiro Tradicional saber sobre Confeitaria Inclusiva. Olha só o que ele me respondeu:

Rodrigo: É suuuuuper importante, primeiro porque isso é mais do que um tendência eu achava que comida inclusiva era coisa do futuro ,mas na realidade é do PRESENTE, cada vez mais aumenta o número de pessoas com restrições seja doença celíaca, intolerância ao leite, ao glúten. Também tem aqueles que querem consumir alimentos mais saudáveis como o pessoal da categoria fitness . E para mim já é uma necessidade a gente conseguir atender todo mundo. A ideia é INCLUIR todo esse público para que todos as pessoas tenham acesso a uma experiência gastronômica interessante, por exemplo: você vai com um amiga no restaurante que é intolerante ao glúten e não tem uma sobremesa pra ela consumir. Fica chato, né. Então é legal que os profissionais estejam mais “antenados” e dominem as técnicas da Confeitaria Inclusiva assim poderão atender a todo mundo sem problemas.

Ariadne : Na sua opinião qual o ingrediente mais difícil de substituir?

Rodrigo: Ufaaa! Eu acho que o mais difícil é o “combo” mesmo , quando não pode nenhum ingrediente. Quando é só uma intolerância a lactose, a gente consegue substituir a manteiga por outra gordura em alguns preparos, o açúcar também dá para mudar por mel ou adoçante quando isso não tem tanta função de estrutura na receita e a farinha é bem difícil também. Cada um tem a sua importância e sempre é complicado fazer alguma substituição é preciso um bom tempo na parte de testes e pensar um pouco mais na construção dessa sobremesa. Repito que os testes são fundamentais para um bom resultado.

Ariadne: Você que é um confeiteiro renomado qual seria o seu conselho para quem está começando a fazer doces inclusivos?

Rodrigo: Então, tudo é muito recente ainda a aquafaba por exemplo, foi descoberta há 15 anos só e na minha opinião ainda é um assunto muito novo. Mas, está aumentando a oferta de material para ler em internet e existem mais chefs que estão focando nesse tipo de Cozinha. Meu conselho é ir atrás mesmo, e como eu já disse aqui ir fazendo laboratório. Eu não manjo muito , mas o pouco que eu sei foi fazendo testes que alguns deram certo e outros não. Um outro truque para quem está começando é estudar a química dos alimentos, qual a função deles dentro de uma receita porque se domina isso vai saber por exemplo que um bolo precisa de farinha, açúcar e ovo, se eu tiver que trocar o ovo o que eu poderia colocar no lugar? Conhecendo melhor a estrutura dos preparos a gente consegue criar uma Confeitaria mais Inclusiva .

Se você quiser conhecer mais sobre Rodrigo Ribeiro acesse o site http://garibeirox.wixsite.com/chefrodrigoribeiro onde vai conhecer também o seu projeto Vamos Adoçar o Mundo que visa ajudar as pessoas que precisam e tornar o mundo mais doce. E se quiser conhecer o seu curso é só clicar nesse link http://api.whatsapp.com/send?1=pt_BR&phone=5511967089197

#blogboraincluir#boraincluir#rodrigoribeiro#vamosadoçaromundo #confeitaria #confeitariainclusiva #chefprilorente#docesdedavi #arivasconceloscopy

Em destaque

Gingerbread , as bolachas mais divertidas do seu Natal

No começo era apenas um “pão de gengibre” usado para informar notícias , mas hoje são as bolachas mais lindas do Natal e até “casas” em tamanho real na Alemanha .

Gingerbreaad 6O Pão de Gengibre também conhecido como Lebkuchen em alemão é uma bolacha típica das festas natalinas muito popular na Europa e também nos EUA.

Ela surgiu quando as espécies do Oriente Médio começaram a chegar no continente europeu no século XI e os cozinheiros tinham mais opções para incrementar seus pratos e sobremesas que eram consumidas pelos nobres da corte na época. A receita europeia tinhas como ingredientes de base pão ralado, água de rosas, açúcar e gengibre.

Essa massa que originalmente começou a ser fabricadas por antigos gregos e egípcios que utilizavam para fins cerimoniais, depois de pronta era prensada em moldes de madeira para ter um formato mais bonito, quase uma obra de arte. Depois de assada, era utilizada para mostrar a imagem dos reis, imperadores ou símbolos religiosos, eu diria que era quase um “jornal” comestível, mas sem tantas notícias claro. Era algo tão especial que podia ser pintada com tinta de ouro comestível dependendo da ocasião.

No começo do século XVI, os ingleses mudaram os farelos de pão por farinha e colocaram ovos e mais açúcar, o que alterou a seu sabor, acredita-se que a primeira bolachinha em formato de homem foi feita para rainha Isabel I da Inglaterra, que gostava de presentear seus convidados com o mimo.

Sua popularidade é tanta que nas cidades de Nuremberg, Ulm e Pulsnitz, na Alemanha existem até grêmios dedicados a esta receita e acabou virando um costume local construir casas inteiras em tamanho real com a massa e deixar em exposição nos museus locais nas festas de Natal . Também é costume os campeonatos de Gingerbreads House onde fazem as casinhas mais lindas e bem decoradas com essa receita. Nem dá vontade de comer, né?

Gingerbread House

E para quem perdeu o nosso Evento Natal Inclusivo Gostoso de verdade, onde a Priscila ensinou essa receita na versão vegana e sem glúten eu vou deixar o passo a passo de como montar essa casinha aqui em cima. Mas , aí você pode fazer com a sua receita mesmo, tá.

Primeiro faça a massa, asse e corte com a faca (ainda quente) ou em molde que tenham o formato correto para a montagem.

Gingerbread 1

Começa a “colar” as partes com chocolate branco ou glacê real nas pontas para que fiquem bem firmes e aguentem o restante da decoração. Nesse processo também já dá para decorar as janelas com granulado colorido e a guirlanda é de pasta americana.

Gingerbread 2

Depois de tudo “colado” faça a entrada com esses pirulitos americanos. Espere terminar de secar o chocolate para continuar .

Gingerbread 3

Faça os detalhes da chaminé e abuse dos M&M coloridos principalmente nas pontas.

Gingerbread 7

O telhado foi feito com uma bala bem fininha , mas você pode usar pasta americana também se quiser, solte a sua imaginação.

Gingerbread 5

E o detalhe da chaminé é só um pouquinho de algodão doce.

Gingerbreaad 8

#blogboraincluir#boraincluir#academiadeconfeitariainclusiva

#chefprilorente#docesdedavi#arivasconceloscopy#semgluten#semleite#semovo

#govegan#veganfriendly

Sua marca gera uma boa memória afetiva para seus clientes?

Aquele cheiro de bolo da vovó ou da mãe, o doce especial que é tradição na sua família no Natal, a música, filme ou qualquer coisa que possa te levar à alguma emoção perdida no seu cérebro.

Ah! Essa tal memória afetiva… passam os anos e ela continua ali, intacta dentro da gente. E faz com que procuremos inspirações nas nossas lembranças que normalmente são da infância e, mesmo sem querer influenciam o que consumimos hoje.

Chef Pri Lorente escrevendo o nome da sua filha no muro da casa da avó.

O quintal da vovó onde a Priscila costumava pintar o seu mundo infantil em um muro ( ela pintava mesmo kkkk) era o cenário de muitas recordações que começavam em colher as uvas no pé, cuidar da horta, subir na goiabeira e até construir um acessório com garrafa pet para pegar a fruta (quanta tecnologia hein). E toda essa brincadeira da criançada era recompensada pela bisa mineira com muita goiabada cascão e pão de batata recheado para o lanche da tarde, que delícia né?

Chef Pri Lorente desenhando no muro da casa da sua avó

No mercado de produtos inclusivos a memória afetiva é uma coisa de extrema relevância , porque a mãe de alérgico quando vai comprar um produto está preocupada com as recordações de alimentos que o seu filho/a não poderá ter por causa da alergia alimentar.

Caminhão da Coca-Cola no Natal

Esse conceito também é cultivado dentro de muitas marcas famosas como Coca-Cola, por exemplo, que sempre se preocupou em desenvolver a memória afetiva do seu público. Você certamente se recorda de já ter visto em algum momento, os caminhões decorados com luzes que a empresa colocava para circular nas ruas em várias cidades brasileiras na época do Natal.

É preciso entender que cultivar a memória afetiva do nosso cliente é super importante para que uma marca consiga se posicionar no mercado.

A divulgação de que um produto foi pensado para lembrar de algum elemento afetivo, sempre vai trazer sentimento de empatia para esse possível consumidor. E isso pode e deve ser explorado nas campanhas publicitárias com vídeos e fotos .

Frase afetiva

Se você tem uma loja física por exemplo, também pode utilizar o que chamamos e marketing sensorial também conhecido como “marketing dos sentidos”, que pode ser feito de diferentes maneiras. Uma delas, por exemplo, seria colocar uma playlist de músicas especialmente criada de acordo com os valores da sua marca . Também se poderia desenvolver o que chamamos de assinatura sonora , que é uma breve frase ou som reproduzido após todos os comunicados ou peças publicitárias de uma marca. Por exemplo, sempre que alguém ouve “creative technology”, é fácil associá-lo a marca Citroën ;).

Invista também em anúncios em vídeo do tipo antes e depois (um exemplo clássico é mostrar o começo da sua carreira como empreendedora do mercado inclusivo e sua pequena cozinha e agora sua loja já montada ). As pessoas gostam de ver isso, porque ativa exatamente a parte do nosso cérebro que chamamos de “primitiva” (é ela que capta apenas emoções e responde por 80% da nossa decisão de compra), em outra palavras é aquele tal impulso consumista. É interessante também relatar essa afetividade por todos os canais de comunicação que sua empresa utiliza.

Camila , proprietária da DaLuSemLeite de Sorocaba/SP

A Camila Gouveia, proprietária da DaLusemleite de Sorocaba/SP, utiliza bastante esse conceito dentro dos seus canais vendas. Para ela a comida é a memória afetiva mais doce da sua infância. Se resume naquele almoço de domingo na casa vó, os lanchinhos da escola e os doces que ela comia no final de semana.

Uma das sua guloseimas preferidas era a pipoca doce, que sempre estava em todos os lugares onde ela frequentava (casa da vó, brincadeiras com o irmão, saídas da escola, parquinhos e festas comemorativas). Aquele carrinho do pipoqueiro recheado de cores captava sua atenção pelo cheiro (olha aí o mkt sensorial) , fazia seus olhinhos brilharem de emoção terminando naquela vontade louca de devorar um saquinho, claro.

Hoje, com duas filhas ela já não consegue comprar uma simples pipoca colorida na rua que seja “segura” para o consumo das suas princesas. Então, surgiu a ideia de convidá-la para fazer essa receita HOJE com a gente em uma LIVE às 16hs no Instagram da Chef Pri Lorente. Segue a receita da Pipoca doce da Dalusemleite.

Pipoca Doce

Pipoca Doce Inclusiva DaLusemleite

Ingredientes

130 gr de milho de pipoca

100 gr de açúcar

70 ml de óleo

70 ml de água

10 gr de corante da sua preferência .

10 ml de leite de coco de uso culinário.

MODO DE PREPARO: Colocar tudo na panela e levar ao fogo, em 10 minutos a pipoca já começa a estourar, ir mexendo até não ouvir mais barulho. Retirar da panela e esperar esfriar um pouco.

#boraincluir#blogboraincluir#chefprilorente#dalusemleitesorocaba #confeitariainclusiva #pipocadoceinclusiva #docesveganos #alergicos #alergiaalimentar #semleite #docesinclusivos#arivasconceloscopy