Em destaque

Como substituir o leite de vaca por leite vegetal?

Existe coisa mais bonita do que uma mãe amamentando o filho? Claro que não, pois é dali que sai o alimento mais completo e nutritivo que existe para um bebê: o leite. E entre todos os mamíferos a regra é igual, ele é o alimento essencial para a sobrevivência da espécie.

Mas… quando introduzimos o leite de origem animal na nossa dieta aí começam os problemas, porque nosso corpo não está preparado digerir um leite diferente . E o resultado é uma série de distúrbios no organismo que podem ser imediatos ou não.

Leites Vegetais

Segundo nossa amiga Wikipédia também se denomina “leite” o suco de vegetais e frutas, são aqueles que nós usamos muito na Confeitaria Inclusiva, os leites vegetais ;). E para substituí-los é preciso levar em consideração dois fatores essenciais: o teor de gordura e de amido que cada um possui. O motivo disso é equilibrar esses dois itens dentro de uma receita, e como sempre o meu mantra da Confeitaria Inclusiva é :

“Toda substituição requer um reequilíbrio de ingredientes da receita”.

Leite de Castanha de Caju

Por exemplo, um leite de côco tem uma grande quantidade de gordura, já o de arroz tem mais amido, o de aveia também e por aí vai. Cada um têm sua característica própria. O leite de amêndoas, por exemplo é o que mais se assemelha ao leite de vaca, e é bastante rico em gordura junto com os de castanhas, côco, girassol e macadâmia.

A turma do “ricos em amido” são o de arroz e o leite de inhame. E os mais neutros são os de aveia e semente de melão (sim , é possível extrair um leite da semente de melão kkk). O meu preferido é o leite de arroz e côco porque contêm o amido e a gordura que precisamos na execução das nossas receitas inclusivas.

Existem nutricionistas que chamam de “bebida vegetal” , mas as vantagens são infinitas em comparação aos leites de origem animal. Vejamos algumas delas:

  • Podem ser consumidos por qualquer pessoa, desde que a mesma não apresente alergia ao vegetal utilizado para fazer o leite;
  • São ótimas opções de hidratação para se tomar ao longo do dia;
  • Para dietas com restrição de leite animal podem funcionar como substitutos em receitas como bolos, pães, cremes, tortas e outras;
  •  Não possuem gorduras saturadas, portanto não aumentam o colesterol ruim;
  •  São fontes de minerais como o potássio e vitaminas do complexo B;
  • Dependendo do vegetal utilizado para o preparo são ótimas fontes de fibra.

Se pode fazer “leite” de praticamente tudo a minha receita preferida é o Leite de Castanhas que você também pode fazer a versão com côco ou amêndoas.

Receita do Leite Vegetal de Castanha da Chef Pri Lorente

Uma parte de castanhas/ amêndoas / côco para 2 partes de água.
Deixar a oleaginosa hidratando em água filtrada por pelo menos 8 horas trocando a água a cada 2 horas.
Descartar a água da hidratação e bater em liquidificador com água filtrada e coar em pano se necessário.

Agora umas receitinhas extras de leites vegetais:

 Leite de soja: dentre os leites vegetais, o leite de soja é o mais mais conhecido. Para fazê-lo basta deixar a soja de molho durante 12 horas, bater no liquidificador com 3 partes de água para cada parte de soja, coar e cozinhar o líquido até a espuma sumir. Com o resíduo do leite, chamado okara, é possível fazer bolos, bolachas e até mesmo adicionar ao suco verde.

Leite de gergelim: o gergelim é um ótimo alimento para diminuir o colesterol ruim e, além disso, o seu leite apresenta mais cálcio que o leite de vaca. Para preparar o leite de gergelim você pode utilizar o gergelim preto ou bege. Deixe-o de molho de 8 à 12 horas, bata no liquidificador com 3 ou 4 partes de água e coe. Com o resíduo do leite é possível fazer uma ricota de gergelim.

Leite de linhaça: a linhaça tem a função adstringente, ou seja, é uma ótima aliada na perda de gordura. O uso dessa semente também está associado ao tratamento de problemas na pele como ressecamento, psoríase, acnes e alergias. Para fazer o leite de linhaça deixe as sementes hidratando em água durante 8 horas. Depois, bata bem no liquidificador a linhaça com água, utilizando 1 parte de água para cada 2 colheres de linhaça. Finalize coando. Para fazer uma variação também pode substituir a água por água de coco ou ainda por um chá de sua preferência ao fazer o leite de linhaça.

Leite de semente de abóbora: as sementes de abóboras muitas vezes são descartadas para apenas a polpa da abóbora ser consumida. É possível fazer um leite vegetal super nutritivo com essa semente que geralmente vai para o lixo. Para fazer esse leite basta deixar as sementes de molho por 12 horas. Para cada parte de sementes use 4 partes de água, bata no liquidificador e coe.

 Leite de aveia: a maior vantagem desse leite é o tempo de preparo. Diferente dos demais leites vegetais, a aveia não precisa ser deixada de molho, o leite não é cozido e o preparo é finalizado em poucos minutos. Para cada 2 partes de aveia em pó ou em flocos utilize 4 partes de água. Bata no liquidificador e coe. O leite dura aproximadamente 3 dias na geladeira.

 Leite de arroz: o leite de arroz é um dos leites vegetais com textura mais fina. Não é preciso deixar o arroz de molho, mas é preciso cozinhar. Para o preparo utilize 1 litro de água para cada xícara de arroz, que pode ser branco ou integral. Cozinhe por 15 minutos, bata no liquidificador e coe.

 Leite de nozes: as propriedades medicinais das nozes são muitas. Entre elas estão a redução do risco de diabetes e o aumento nos níveis de serotonina, responsáveis pelo bom humor. Para fazer o leite de nozes basta bater 2 copos de água para cada copo de nozes e coar até obter a textura desejada.

 Leite de girassol e inhame: esse leite é muito energético e ótima fonte de vitamina E. Para prepará-lo deixe as sementes de girassol de molho durante 12 horas. Depois, bata as sementes de girassol com água e um inhame pequeno descascado e picado. O leite pode ser guardado por apenas um dia, na geladeira.

Leite de quinoa: o leite de quinoa é rápido e fácil de ser preparado. Utilize 2 xícaras de água para 4 colheres de quinoa. Coloque tudo dentro do liquidificador e deixe de molho durante 15 minutos. Depois bata durante 1 minuto e está pronto. Não é necessário coar.

#blogboraincluir #boraincluir

#chefprilorente #academiadeconfeitariainclusivaonline/prilorente

#leitesvegetais #arivasconcelocopy

Em destaque

Por que comemos Ovo de Chocolate na Páscoa?

Todo ano é a mesma coisa… já em dezembro as confeitarias, indústrias e os pequenos e médios empreendedores começam a se planejar para a época de maior faturamento $$$, a Páscoa.

Ovo recheado com ganache da Chef Pri Lorente

Quem nasceu primeiro, o Ovo ou a Galinha? É óbvio que foi a nossa amiga cocoricó, senão o primeiro item não existiria, rsrsrs. Só que nessa época do ano ninguém se lembra dela quase. A estrela que brilha mais é o ovo de chocolate.

E você sabe por que presenteamos tantos Ovos de Páscoa?

Pois, tudo começou com os Persas há uns 5.000 anos quando queriam desejar felicidades para alguém davam um ovo de galinha (para eles isso era o símbolo da fecundidade e renovação). E .. como eles viajavam muito acabaram levando esse costume para a Europa que incorporou na festa de Páscoa, onde se comemora a ressureição de Jesus Cristo. Nesse período não se podia comer carne , ovos e nenhum derivados do leite. Então, toda a produção dos camponeses ficava acumulada e no dia do renascimento de Cristo comiam tudo.

Lá pelo século XIX, na Rússia uma família de Czares também começou a cultivar ovos de luxo, pintados a mão e decorados com joias, mas … sem o chocolate, claro. Eram apenas para apreciar , rsrsrs. Então, surgiu a tradição dos famosos Ovos Fabergé .

Mas, foi em meados do século 18 que os franceses que começaram a “mudar” o ovo de galinha, eles tiravam a gema e clara e recheavam com chocolate. Alguns anos depois um francês chamado François Louis Cailler abriu a primeira fábrica de ovos de chocolate em 1819.

Ovos recheados com chocolate e pintados a mão .

Existe uma outra versão também que aponta que o hábito de presentear ovos de galinha vêm até antes de Cristo, eles eram trocados na época da Primavera em tributo a renovação da natureza. Nessa época eram pintados com corantes naturais de beterraba, açafrão , espinafre, sempre predominando a cor vermelha entre eles. Já a versão com chocolate vem dos franceses mesmo, como comentamos no parágrafo anterior.

Mas… e o coelho , o que ele faz nessa história?

Ele também é um símbolo de fertilidade e nova vida, porque costuma ter muitas ninhadas. Quem nunca ouviu aquela frase sobre uma mulher que tem muitos filhos ser chamada “coelha”, rsrsrs.

A origem do coelho da Páscoa remonta ao século XIII, na Alemanha pré-cristã, quando as pessoas oravam a vários deuses e deusas. Eostre ou Ostara era o nome da deusa da primavera, a estação do “renascimento” e da “renovação” e o seu símbolo era um coelho, devido às suas elevadas taxas de reprodução.

E a primeira lenda que foi documentada sobre isso começa entre os anos 1500 e 1680 onde surgiu uma história de coelhos que punham ovos e escondiam no jardim. E foram os alemães que levaram esse costume para os Estados Unidos, onde essa tradição é muito forte e no Brasil também né, a famosa “Caça aos Ovos”.

Desejamos a todos uma Feliz Páscoa, com muito amor , caridade , reclusão (estamos na pandemia né, não dá para ficar passeando por aí ) recheada de muitos ovos, cenouras e coelhos de chocolate 😉 .

#boraincluir #blogboraincluir #chefprilorente #arivasconceloscopy #academiadeconfeitariainclusivaonline/prilorene #Páscoa2021

Em destaque

Como aprender a organizar o seu tempo e empreender na Confeitaria Inclusiva.

Aprender a organizar o tempo, principalmente para as mulheres empreendedoras é um fator crucial na hora de começar um negócio.

Chef Pri Lorente , Confeiteira Inclusiva

“O DIA SÓ TEM 24 HORAS! É muito pouco”. Essa é uma das frases que muitas mulheres pensam e falam quando o acúmulo de tarefas começa a entrar em “fase vermelha”, seja por causa do lar, filhos, marido (que também dá muito trabalho rsrsrs) , negócios e estudos. Isso deve ser interpretado como um alerta, estamos ficando sem tempo para fazer tudo e a consequência é: ligar o botão automático, em outras palavras , ir executando as tarefas diárias sem aquela vontade de antes.

E por este ser um sentimento comum entre nós mulheres, surgiu a ideia de convidar uma amiga nossa a Adriana Espindola que tem um trabalho completamente direcionado para Empreendedores da Confeitaria para nos ajudar a conhecer novas ferramentas e enfrentar esses momentos difíceis da vida.

Adriana Espíndola Coach para Empreendedores da Confeitaria

Segundo Adriana, o coaching é uma treinamento comprometido com o desenvolvimento do potencial do ser humano, o que também poderíamos chamar de “extrair o melhor de si”. Por isso é que vemos coach em vários setores , life, para mães, para emagrecer e por aí vai. Na minha opinião é algo que todo mundo deveria experimentar um dia na vida porque o resultado é realmente enriquecedor como ser humano.

Lembrando que isso não é uma ferramenta de auto ajuda, nem mentoria ou psicologia, tá !

É considerado conjunto das competências e habilidades que podem ser aprendidas e desenvolvidas por absolutamente qualquer pessoa pra alcançar um objetivo na vida pessoal ou profissional até 20 vezes mais rápido, e isso está comprovado cientificamente.

Entre vários exercícios dentro do universo do Coaching escolhemos a Roda da Vida para revisar se estamos em equilíbrio com o nosso tempo. É bem simples e o ideal é que esse “check-up” interno seja feito a cada três meses, exatamente para evitar aqueles períodos e stress e falta de vontade que comentamos no começo desse post.

Começamos desenhando uma roda em um papel e colocando todas as áreas da nossa vida (não vale pular aquela que a gente não gosta, hein) . A ordem é indiferente , o importante é que estejam todas. Por exemplo: saúde, amigos, finanças e economia, família, desenvolvimento pessoal, relações pessoais, diversão e trabalho. Vamos dividindo a roda igual essa foto aqui embaixo :

Roda da Vida exercício de Coaching

Em seguida podemos ir colocando números de 1 a 10 por exemplo, ir pintando de cores diferentes cada linha ou apenas escrevemos o que é importante para o nosso momento atual. Dá uma olhada nessa aqui embaixo. Existem vários tipos, inclusive você pode pegar uma roda em branco e ir construindo do seu jeito.

Roda da Vida personalizada

Após a conclusão, é claro que muita coisa dentro da gente precisa mudar e de preferência para melhor, claro. Mas… é importante começar isso desde as áreas que estão mais positivas, por exemplo se está trabalhando muito e deixando poucas horas para a família talvez seja hora de delegar um pouco de tarefas ou fazer mais planejamento para não passar tanto tempo no ambiente profissional . Um hora a mais com os filhos ou um jantarzinho a sós com o maridão pode fazer uma grande diferença hoje e também fortalecer laços futuros.

Também é legal reconhecer quais são as áreas que podem melhorar e potencializar nossas habilidades nelas, como estudar para crescer no seu emprego, ou fazer aquele curso dos seus “sonhos”. E por falar em curso o nosso começa na semana que vem dia 22/03 os Fundamentos da Confeitaria Inclusiva, 1ª edição.

E para quem quiser conhecer um pouco mais sobre o trabalho da Adriana e seu projeto “Quebrando a Forma” (um treinamento que está mudando a perspectiva de muitos empreendedores da Confeitaria, onde ela vai treinar o seu “Ser Empreendedor” a reconhecer todo o processo que nos leva a querer trabalhar por conta própria , como tirar o maior proveito disto, como conectar a nossa auto- confiança e desenvolver nosso potencial ao máximo ) é só seguir o seu Instagram @adrianaespíndolacoach .

E hoje dia 17/03 nós vamos estar numa LIVE às 15hs lá no Instagram da @chefprilorente (desde Brasil), a Adriana Espíndola (desde Argentina) e Ariadne Vasconcelos (desde Espanha), para fazer essa Roda da Vida com a Chef Pri Lorente. Ah, como Adriana não fala português a live será em espanhol, português e portunhol também. Esperamos vocês , lá ;).

#blogboraincluir #boraincluir #chefprilorente #adriandaespindolacoach #empreendorismofemenino #empreendorismonaconfeitaria#arivasconceloscopy

Em destaque

Xilitol ou Eritritol, qual a melhor opção para substituir o açúcar?

São duas opções fantásticas para substituir o açúcar, mas sem perder o sabor dos seus doces.

Macaron Vegano da Chef Pri Lorente

Quando pensamos em uma dieta para emagrecer a primeira coisa que surge na cabeça é “cortar o açúcar” o que nos leva automaticamente a prestar mais atenção no que existe na prateleira dos adoçantes.

Pouca gente sabe que eles são artificiais e muito prejudicais à nossa saúde porque são uns “enganadores” do nosso cérebro, achamos que são substâncias nutritivas, mas na verdade não é nada disso, causam mais fome ainda e contribuem para um mal funcionamento do nosso sistema digestivo.

Porém, existem os chamados “álcoois de açúcar” que são carboidratos muito semelhantes ao açúcar , que não são absorvidos completamente pelo nosso organismo. Existem duas “estrelas” que conquistaram o mundo pela sua praticidade e por substituir perfeitamente o sabor do açúcar: o Eritritol e o Xilitol.

O Xilitol é proveniente das espigas de milho (que curioso né ) , depois de extraído é cristalizado e assim já está pronto para o consumo. Também podemos encontrá-lo em algumas frutas e verduras em proporções muito pequenas e insuficientes para fazer a cristalização.

Ele tem um gosto praticamente igual ao açúcar só que com 40% menos de calorias, não é absorvido pelo intestino por isso não produz insulina, causando menos danos à saúde. Também é um forte aliado dos dentes, porque não fermenta na boca, causando menos cáries ;).

Xilitol

Mas… nem tudo são benefícios, se for consumido em excesso pode causar gases, inchaço e diarreia. Portanto, CUIDADO com as quantidades que vai consumir e nunca adoce nada para seu pet porque ele é muito tóxico para os animais.

Já o Eritritol é uma outra opção “saudável” para adoçar suas receitas tem origem nos vinhos, queijos e algumas frutas. Mas, a maior concentração está no milho, igual ao Xilitol só que ele é custa muito mais para ser produzido, o que reflete no seu preço $$$. É um produto bastante caro no mercado de produtos naturais.

Também tem o sabor semelhante ao açúcar, não possui calorias e não causa cáries (os dentes agradecem, né) . Ah! E uma outra característica super importante é que tem um efeito antioxidante na corrente sanguínea , trazendo inúmeros benefícios para quem consome com frequência.

E os efeitos colaterais são os mesmos do xilitol diarreia, inchaço e gases. Tudo vai depender das quantidades e do organismo também, claro. E ele é absorvido completamente pelo organismo, o ideal para pessoas diabéticas.

E agora a pergunta que todo mundo faz é :

XILITOL OU ERITRITOL? Qual a melhor opção?

E a resposta é DEPENDE.

  • Se pensamos na saúde dos dentes o Eritritol é melhor.
  • Para evitar problemas digestivos o Eritritol sai na frente porque ele é absorvido totalmente pelo nosso organismo.
  • E para não ter aumento de açúcar no sangue o Eritritol é mais recomendado principalmente para os diabéticos , já o Xilitol vai alterar um pouco mais isso.
  • O preço também é um fator que vai influenciar na hora de comprar o seu substituto do açúcar. O Eritritol sempre vai ser um pouco mais caro que o Xilitol.

Agora que já sabemos as principais diferenças entre eles fica fácil decidir qual devemos comprar para fazer aquela receita deliciosa SEM AÇÚCAR , mas sem perder o sabor ;).

Segue uma receita super fácil de Bolo de Cenoura da Chef Pri Lorente .

Bolo de cenoura Sem Glúten, Leite e Ovos


Ingredientes Liquidificador

  • 100 ml óleo refinado
  • 150 ml água
  • 250 g de cenouras cruas descascadas
  • Ingredientes secos
  • 60 g eritritol ou xilitol 
  • 200 g de farinha de arroz
  • 100 g de fécula de batata ou amido de milho
  • 10 g de goma xantana ou CMC
  • 10 g de polvilho doce
  • 15 g de fermento químico


Modo de fazer:

Adicionar os ingredientes secos aos ingredientes do liquidificador com o auxílio de um fouet ou batedeira em velocidade baixa. A massa deve ficar lisa e cremosa. Acrescentar por último , 20 ml de vinagre branco (maçã ou álcool) e misturar rapidamente. Despejar a massa em forma untada apenas com óleo e assar em forno pré aquecido a 180°C.

#blogboraincluir #boraincluir #chefprilorente #academiadeconfeitariainclusiva/prilorente #cursosdocesveganos #docesveganos #alergicos #arivasconceloscopy

Em destaque

Qual a diferença entre Trufa e Ganache?

Os ingredientes são praticamente os mesmos, mas existem algumas diferenças entre essas duas receitas.

Bombom de reduçaõ de vinagre balsâmico com ganache de frutas vermelhas Ariadne Vasconcelos .

A Páscoa está chegando e o que mais se escuta na internet é sobre ovos de chocolate, pode ser trufado, com ganache, com brigadeiro, com pudim, em pé, recheado, com mousse, com sei lá o que mais , rsrsrsrs. Tem para todos os gostos e bolsos também, porque um produto artesanal pode custar bem mais caro que um industrializado.

Mousse Chocolate Chef Pri Lorente

Existem muitas pessoas que vendem ovo recheado dizendo que é trufado . Mas… na verdade é uma mousse, o que não tem nada a ver com ganache e trufa, pois é uma preparação gelada feita a base de um creme (que pode ser uma ganache) + gelatina ou agar agar (ou não, depende da receita) + creme de leite (animal ou vegetal) montado = MOUSSE.

Os termos técnicos sempre causam muita confusão, principalmente se quem está vendendo o produto quer colocar nome “chique” para poder cobrar $$$ mais. Por exemplo, um ovo de brigadeiro dizer que é um brigadeiro trufado . Isso não existe mesmo, rsrsrs.

Trufa de chocolate meio amargo

A receita da trufa e da ganache na confeitaria tradicional, é praticamente a mesma consiste em : chocolate derretido + creme de leite quente (de origem animal ou vegetal) e a principal diferença é na apresentação pois, a ganache sempre vai ir no interior de alguma sobremesa , como um bombom por exemplo. Já a trufa é uma bolinha banhada no chocolate (ou não) e passada no chocolate em pó . Quando falamos de Confeitaria Inclusiva, o creme de leite pode ser substituído por Leite vegetal bem concentrado e com maior porporção de gordura, por exemplo, leite de amêndoas ou leite de côco.

Outra diferença interessante é que a ganache na confeitaria tradicional sempre vai levar uns 10% do seu volume total em manteiga, que dá mais sabor e umidade . Também se acrescenta o açúcar líquido invertido para aumentar a sua vida útil . Então, quando você vê uma ganache sem manteiga também pode dizer que é um recheio “trufado”. Na Confeitaria Vegana ou Inclusiva, utilizamos a manteiga de côco que é bem parecida com a manteiga de origem animal, tanto em aroma (ainda que sejam aromatizadas artificialmente), quanto em textura e sabor.
Uma outra sugestão é a gordura de palma, mas o resultado não é tão bom quanto a manteiga de côco! Já o óleo de côco não é indicado para esta preparação, uma vez que não é tão cremoso quanto as sugestões anteriores!

Eu costumo dizer que o chocolate é algo tão mágico dentro da Confeitaria que se pode transformar no que quiser, basta querer e ter a famosa “criatividade” para isso. E por isso quero deixar algumas dicas de como fazer sua ganache/trufa perfeita:

Ovo de Páscoa com recheio de ganache de caramelo da Chef Pri Lorente
  • Primeiro derreta o chocolate no microondas de 30 em 30 segundos, mexendo sempre, ou no banho maria se quiser. Também pode ser chocolate picado se preferir.
  • Esse processo pode ser feito no microondas de 1 em 1 minuto na potência média, sempre mexendo. Chocolate não gosta de ficar parado!
Chocolate picado com creme de leite quente
  • Aqueça o creme de leite sem deixar ferver para evitar a separação da gordura que existe nele. (a técnica vale tanto para creme de leite de origem animal quanto vegetal!)
  • Mistura o chocolate derretido com o creme de leite sempre com o nosso melhor amigo, o FOUET.
  • Isso é para emulsionar sua mistura, também vale para quando sua ganache/trufa fica separada como esta aqui.
Ganache separada
  • Se sua receita ficou muito ruim mesmo, você ainda consegue “salvar” sua ganache/trufa com o mixer.
Ganache correta
  • Para fazer a ganache acrescente sempre a manteiga em pomada (quando está meio mole , mas você ainda consegue colocar um dedo sem desmanchar) com o pão duro, nunca com o fouet. Isso evita a separação da gordura também.
  • Conserve em temperatura ambiente se puder ou na geladeira se tiver pressa , claro.
  • A proporção do creme de leite ou leite vegetal vai variar de acordo com o tipo de chocolate que está trabalhando, um chocolate branco vai precisar de mais quantidade do que o meio amargo, mas as variações de chocolate branco dentro da confeitaria vegana e inclusiva são gritantes, portanto as proporções irão variar de acordo com as marcas que vc utilizar!
  • Não esqueça que nossa Confeitaria Inclusiva é um laboratório e não temos muito padrão nos insumos que utilizamos! Já separa um caderninho para anotar cada variação dos seus testes!
Bombons sortidos de Ariadne Vasconcelos

CHOCOLATE MEIO AMARGO – 200 gr de chocolate meio amargo + 100ml de leite de côco concentrado = TRUFA . Para fazer a ganache acrescente 30 gr de manteiga de côco em pomada sem sal.

Che Pri Lorente , fundadora da Academia de Confeitaria Inclusiva

E hoje às 15hs você pode acompanhar uma receita deliciosa de umas das tendências desta Páscoa 2021 o OVO ESFERA em pé, que a Chef Pri Lorente vai fazer no seu Instagram. Não perca!

#boraincluir#blogboraincluir#chefprilorente#doces#veganos#alergicos#arivasconceloscopy#academiadeconfeitariainclusiva/prilorente #pascoa2021

Em destaque

O que você sabe sobre fermentação natural sem glúten?

Pão sem glúten da Chef Pri Lorente

Estamos de volta e “fermentando” igual um pãozinho 😉 em processo de planejamento de várias novidades tanto aqui no Blog como na Academia de Confeitaria Inclusiva da Chef Pri Lorente, e nada melhor que começar com o pé direito falando sobre esse processo da panificação sem glúten que não é tão complicado assim como parece.

Mas…. vamos começar falando do “bichinho” que dá origem a tudo isso, a bactéria e a levedura. Isso mesmo, tudo que envolve qualquer tipo de fermentação natural vai ser o desenvolvimento da bacterinha , ou a criação dela podemos dizer assim. Pode ocorrer na temperatura ambiente ou até mesmo na geladeira e, pode parecer estranho mas é super normal ter um “levain” durante alguns dias refrigerado tanto na Panificação Sem Glúten como na Panificação Tradicional.

O fermento natural consiste na mistura de farinha e água, sendo fermentado
por bactérias e leveduras, que podem ser adicionadas ou obtidas do próprio meio
ambiente onde se armazena . Ele também pode ser obtido com a utilização de frutas, iogurtes entre outros e é composto basicamente de bactérias ácido láticas, onde a espécie mais encontrada é a Lactobacilos e por leveduras na sua maioria.

Fermento Rejuvelac feito a base de quinoa.

Também existem os fermentos biológicos, aqueles do supermercado que nós já conhecemos (seco e fresco) , mas a levedura é diferente do natural, claro. Só que a função dele é a mesma dentro da receita (converter o açúcar em gás carbônico e etanol) . Nesse caso já não podemos classificar esse resultado como feito com produtos 100% naturais.

Além do fermento, também temos nesse processo a água, o ar, as farinhas ( que podem ser de arroz, tapioca ou fécula de batata) , o açúcar que “alimenta” o crescimento transformando-se em gás carbônico, que provoca o aumento de bolhas no seu interior, permitindo assim o desenvolvimento correto da massa , o sal e a gordura (poderia ser óleo ou azeite) . Na panificação sem glúten os pães são muito ricos em amido Então vale a pena lembrar que quanto mais lenta for a fermentação melhor será o seu resultado final.

Ah, também temos o psyllium que faz o papel do glúten quando não temos ele presente, dando aquela elasticidade que todo pão precisa ter . Basicamente é uma fibra natural que contribui muito para o bom funcionamento do intestino e, por absorver muita água é o produto ideal para dar a textura perfeita. Pode ser encontrado em lojas de produtos naturais e pela internet também. Claro que dá para fazer receitas sem ele, mas se puder colocar melhor.

Ariadne Vasconcelos , Professora de Confeitaria e Copywriter.

Agora vamos ver um pouco como VOCÊ pode fazer o seu próprio fermento natural o REJUVELAC (PROBIÓTICO) , ele serve tanto para panificação como para quejios. E uma das novidades desse ano aqui no blog é que agora quem vai fazer essa receita sou eu (Ariadne) rsrsrsr. Vou trocar de lugar com a Pri na cozinha e aprender como funciona esse mundo tão interessante da Cozinha e Confeitaria Inclusiva. Fica de olho no meu Instagram (@ariadne_vasconcelos) e no da Pri (@chefprilorente) que eu vou te mostrar todo esse processo de fermentação natural e é claro, vou “tentar” fazer uma receita de queijo fermentado a base de castanhas. Será que eu consigo? 😉

REJUVELAC (O fermento Juvenal da Pri Lorente e da Ari) .

Ingredientes

  • 1 xícara de quinoa branca orgânica em bolinhas
  • Água mineral
Ingredientes do fermento .

MODO DE PREPARO

1ª dia – Coloque a quinoa em uma jarra de vidro com uma xícara (chá) e misture. NÃO use colher de metal, pois isso pode matar o fermento e deixe em um ambiente escuro para fermentar (pode ser dentro do forno desligado mesmo) e com um pano fino em cima, pode ser até um perfex limpo. Deixe ele ali “quietinho” por 3 dias.

4ª dia – Escorra a água e coloque mais 6 xícaras (chá) de água . Deixe ele no “escurinho” ainda por mais 3 dias .

7º dia – Para certificar se o rejuvelac está fermentando é bem fácil, ele tem que estar com um sabor e um cheiro de vinagre. É meio fedorento kkkkk, mas é assim mesmo. Ah, também é normal que fique uma película esbranquiçada na superfície.

8ª dia – Peneire a quinoa e conserve o fermento na geladeira em um pote hermético de vidro. Lembrando que ele dura entre 2 semanas e um mês na geladeira.

#boraincluir#blogboraincluir#chefprilorente#academiadeconfeitariainclusiva#levain#fermentaçãonatural#arivasconceloscopy#jornalismogastronomico

Em destaque

Quais serão as tendências do Marketing Digital para Confeiteiras em 2021?

As férias já acabaram! E estamos de volta com todo o gás para trazer aqui no blog vários temas relacionados ao mercado da Confeitaria Inclusiva e vamos começar falando sobre o que vai estar em alta .

Ariadne Vasconcelos do Nascimento, Copywriter e Professora de Confeitaria

Esse ano já começou bem, com o mundo começando o processo de vacinação para conter a pandemia, mas não podemos criar muita expectativa porque até o “mundo” todo estar vacinado vai levar um tempo. E o resultado de tudo isso vai ser um ano um pouco parecido com 2020 . Segue abaixo quais serão as principais tendências .

  • Instabilidade ( se você tem um comércio aberto vai ter que continuar com o seu sistema de delivery e encomendas via telefone e internet) e se trabalha em casa fazendo encomendas as coisas não vão mudar muito.
  • Necessidade de contato humano (as pessoas estão muito “carentes” então , aquele bilhetinho escrito à mão na sua encomenda ou um enviar um “mimo” para seus clientes (um pão de mel de degustação por exemplo, mesmo que não estejam fazendo grandes compras vai ajudar manter a conexão emocional ).
  • Tudo que postar no Instagram e Facebook tem que estar com o propósito de engajar seus clientes e seguidores. Se você tem menos de 200 mil seguidores poste pelo menos duas vezes ao dia no feed e “abuse” dos Stories no seu Instagram. Lembrando que ali as pessoas estão para se “inspirar”, então não pode sempre ter post vendendo seu produto, o ideal é fazer dois post de conteúdo e um de venda (como você pesa o seu brigadeiro por exemplo é um tipo de conteúdo) . Fazer perguntas para seu público, caprichar nas fotos, e falar um pouco da sua rotina pessoal (sem exagerar tá, senão as pessoas confundem) tudo isso resulta no tal “engagment” que os marketeiros tanto falam.
  • Saber exatamente qual é o propósito da sua marca (POR QUE ela existe? E para QUEM existe? ) . Essa é uma pergunta que todo empreendedor deve fazer antes de montar o seu logo profissional.
  • Ter a sua marca conectada a causas ambientais, igualdade de direitos e alimentação saudável (na Confeitaria Inclusiva já temos um pouco disso porque os produtos são menos “industrializados” que na Confeitaria Tradicional) . Mas, é importante sair de “cima do muro”, por exemplo se você é contra plástico entregue seus produtos em sacolas de papel e mostre isso na redes sociais, utilizando as handstags # referentes.
  • Trabalhar com o calendário de datas anual, já pensando em produtos e novidades para o ano inteiro. Como a economia vai demorar para voltar ao normal mantenha uma parte dos seus produtos em tamanhos menores e com preços mais acessíveis.
  • Escutar e investigar o seu cliente para conhecer absolutamente tudo que pensa e em que você pode AJUDAR (é aquela famosa frase que todo mundo coloca no seu stories : Como posso te ajudar?) . Isso é muito importante até na hora de criar um novo produto para o seu cardápio.
  • Aprender Copywriting (redação persuasiva) vai te ajudar a vender qualquer coisa na internet, mas isso é um processo bem mais complexo do que parece e eu vou dedicar o próximo post todinho para esse assunto ;).
  • Fidelizar vai ser mais importante do que captar novos clientes, se você já tem a sua clientela montada tenta cuidar e conservar o máximo que puder. Não é momento de fazer lançamentos astronômicos nem mudanças radicais nos seus produtos.
  • Montar o seu conteúdo sempre focando em “falar” com os seus clientes em uma linguagem coloquial e pessoal.
  • Fazer vídeos curtos e utilizar em reels e Tik Tok.
  • Utilizar o Canva para fazer pequenos textos ou promoção de produtos com arte para seu Instagram é muito fácil para conhecer acesse https://www.canva.com , é bem simples de usar e tem versão gratuita e paga.
  • Vendas por WhatsApps vão continuar disparando (prometo também dedicar um post sobre isso em breve kkkk) . Se você ainda não vende fique atento a essa ferramenta que é um recurso poderoso em tempos de crise.
  • Personalize o seu marketing o máximo que puder (logo, cores, vídeos, produtos, conteúdo) , lembrando que o marketing de conteúdo é o que vai te manter sempre na frente dos concorrentes, copiar nunca foi um bom negócio, seja ORIGINAL.

#blogboraincluir#boraincluir#confeitariainclusiva#chefprilorente#marketingdigitalparaconfeiteiras#copywritingparaempreendedores#arivasconceloscopy#jornalismogastronômico

Em destaque

#2020MEENSINOU por Chef Pri Lorente e Ariadne Vasconcelos

O ano não foi fácil (: , mas está chegando ao fim e nesse artigo queremos compartilhar com você um pouco do que aprendemos.

Chef Pri Lorente

DIFICULDADE, acho que essa foi umas das palavras mais escritas na internet, e disso eu entendo porque tenho um filho alérgico e a Doces de Davi começou por causa da necessidade de ter mais opções para crianças alérgicas. Mas… apesar de passarmos poucas e boas no Brasil e no mundo inteiro aqui estamos e o melhor de tudo: ESTAMOS VIVOS ;).

E é exatamente por isso que eu acho que #2020meensinou a ser mais “metódica” com tudo na minha vida e principalmente com o meu trabalho. Aprendi a organizar o meu tempo de maneira mais eficiente . Mas… É POSSÍVEL APROVEITAR O FINAL DO ANO SENDO UM EMPREENDEDOR? Em primeiro lugar pense que : NATAL E ANO NOVO SÃO  PARA TODOS!

Então… se trabalha sozinha e por conta própria como eu, estabeleça um horário “razoável” para as entregas. , CONGELE O MÁXIMO QUE PUDER, desde massas até decorações. Quanto mais produção tiver semi-pronta menos vai ser o risco de imprevistos.

Ah, muito importante, em hipótese nenhuma aceite pedidos as 23:30 hs porque está precisando do dinheiro, as pessoas tem que ter um mínimo de respeito pelo seu direito de poder festejar. Se o cliente não gostou, paciência. No próximo ano garanto que ele não vai fazer o mesmo.

Também é legal ter uns 30% a mais de produtos no estoque , para o caso de encomendas de última hora (aqueles atrasadinhos de plantão, rsrsrsrs) e faça um cronograma de produção de até um mês antes para não atrapalhar o seu fluxo normal de pedidos.

Ariadne Vasconcelos, Professora de Confeitaria, Jornalista e Copywriter.

OTIMISMO, mesmo que essa não tenha sido umas das palavras mais escritas na internet foi a que eu tentei repetir quase como um mantra nesse ano tão complicado. Pois, acredito que todo mundo teve um pouquinho disto no coração misturado com o medo a aflição que passamos nessa pandemia. É a tradução daquela famosa frase “no final vai dar tudo certo” ou “já deu tudo certo” principalmente porque estamos aqui e VIVOS 😉 , como disse a minha amiga Priscila Lorente.

Para mim #2020meensinou a ter mais FOCO nos meus objetivos profissionais, mesmo não podendo estudar o tanto que eu gostaria por causa da pandemia. Consegui aplicar muitos conhecimentos na marca da Doces de Davi e em alguns projetos aqui na Europa também. Mas… confesso que o eu mais gostei de fazer foi escrever esse Blog. Nossa, como eu aprendi e acredito que ainda nem “começamos” direito, rsrsrs.

E por isso, eu e Chef Pri Lorente te desejamos um FELIZ NATAL vencendo todas as DIFICULDADES e com muito OTIMISMO.

Chef Pri Lorente e Ariadne Vasconcelos

Em destaque

FAÇA o seu Natal diferente com uma Torta Banoffee .

O nome dela é Banana + Toffee (caramelo) = Banoffee , mas a sua origem é uma versão inglesa inspirada em uma receita americana que conquistou paladares europeus e brasileiros.

Torta Banoffe por Silvia Buck da Handmade Sweets

Se você pensa que é só no Brasil que gostamos de sobremesas muito doces, está completamente enganado. Pois, a origem dessa receita é inglesa, rsrsrs. Na realidade a “inspiração” é americana e vem da “Blum’s Coffee Toffee Pie”, mas os Chefs  Nigel Mackenzie e Ian Dowding  do restaurante The Monk Restaurant que criaram essa versão . E acredite se quiser, o doce de leite foi feito com leite condensado cozido na panela de pressão, igualzinho fazemos aqui no Brasil ;).

Ela nasceu no ano de 1974 , depois de várias tentativas de utilizar alguma fruta que combinasse com doce de leite foi morango, mexerica, maçã até chegarem na banana que não tinha tanta acidez, o resultado dessa combinação foi imediato e um sucesso porque não conseguiram mais tirar do cardápio. Na minha opinião é como se fosse o nosso brigadeiro daqui, praticamente todo mundo gosta.

No caso da Inglaterra vale a pena ressaltar que essa é a sobremesa preferida da maioria dos britânicos, inclusive a Dama de Ferro Margaret Thatcher .

Torta Banoffe Inclusiva por Chef Pri Lorente

Para compensar o alto grau de açúcar que leva o leite condensado a cobertura é feita com uma mousse ou um creme de queijo Philadelphia (olha a herança americana, aí ) que acabou virando uma combinação bem clássica da Confeitaria = banana+ doce de leite +queijo. No Brasil também podemos ver esse conceito bem refletido principalmente na confeitaria Mineira, que é uma maravilha né . Quem não gosta de um pedaço de queijo mineiro com uma colherada generosa de doce de leite?

Torta Banoffe por Silvia Buck

Eu já sei que esse vai ser a sua sobremesa esse ano ;). Acertei?

Mas…. pensando na correria que sempre acompanha o Natal como podemos passar essa data tão especial com tranquilidade (já que esse ano foi muito pesado, não é mesmo?) . Comece primeiro conversando com seus familiares para saber quem virá para a festa e principalmente quais opções a pessoa alérgica poderá consumir.

Faça as compras com antecedência SEMPRE ! Para não ficar preso em uma fila de supermercado só para comprar aquele ingrediente especial que faltava na sua receita. O que puder ser CONGELADO, não perca tempo e adiante o processo. Por exemplo essa torta aqui pode ser feita com antecedência sem problemas.

E se ficou curioso aqui está a receita dela na versão INCLUSIVA feita pela Chef Pri Lorente que ela vai fazer HOJE na LIVE às 15hs no Youtube .

Torta Banoffee

Massa:

105 gr de farinha de aveia

3 gr de fermento químico

20 gr de óleo de côco

30 gr de açúcar

85 ml de água

Recheio:

150 gr de açúcar refinado

1 litro de leite vegetal

40 gr de amido de milho

10 gr de gordura de palma

10 gr de glucose

1 banana nanica cortada em rodelas .

Cobertura

30 gr de aquafaba

30 gr de açúcar refinado

RENDIMENTO: Uma torta de 16 cm de diâmetro.

#blogboraincluir#boraincluir#chefprilorente#arivasconceloscopy#cursosdocesveganos#docesveganos#veganfriendly#veggie#veganas#apvl

Em destaque

A Confeitaria do Presente por Rodrigo Ribeiro

Um dos representantes do Brasil na Coupe du Monde de la Pâtisserie 2021 revela que Confeitaria Inclusiva não é só um tendência do mercado e todo chef precisa saber mais sobre o assunto.

Chef Rodrigo Ribeiro

Ele queria ser veterinário ou militar , mas acabou decidindo ser confeiteiro. Para a nossa sorte ;). Sua trajetória começou cedo, aos 18 anos em uma padaria fazendo pão francês na sua cidade natal São Paulo. Mas … era um trabalho mecânico e sempre a mesma receita, o que não combinava nada com seu estilo criativo. Depois de um ano conseguiu um trabalho em um restaurante francês (nessa época já cursava a faculdade de Gastronomia) e daí não parou mais. Fez estágio no famoso restaurante de Alex Atala, o DOM , trabalhou no restaurante Mani de Helena Rizzo, Manjare, La Guapa da Paola Caroselha, Oro entre outros .

Também passou uma temporada no Rio de Janeiro já trabalhando com a Confeitaria de Vanguarda, sua paixão. E no meio disso foi ganhando vários prêmios em concursos como o Gran Chefs da Revista Padaria 2000 , o programa Que Seja Doce da GNT . Nessa época já começou a ser convidado para dar aulas em escolas de confeitaria . Ufa!!! E tudo isso com entre os seus 23 e 24 anos mais ou menos .

Chef Rodrigo Ribeiro no restaurante Peti em São Paulo

Até que…. ele fincou raízes por alguns anos no restaurante Petí em Sampa, onde podia dar “asas” a sua criatividade (foi ali que fizemos essa entrevista fazem alguns anos) . Ele estava “em casa” porque suas ideias combinavam perfeitamente com as do Chef o cardápio mudava a cada 15 dias, era o cenário perfeito para desenvolver todos os seus conhecimentos. E eu já comecei perguntando:

Ariadne : O que te levou a apaixonar-se pela Confeitaria?

Ariadne e Rodrigo no restaurante Peti

Rodrigo: Eu sou um cara muito sistemático , sou virginiano e a disciplina de ter que pesar todos os ingredientes para a execução das receitas da Confeitaria se encaixa com esse meu jeito de ser.

Ariadne : Quais são os seus principais critérios na hora de criar uma sobremesa?

Rodrigo: Eu gosto de transformar algo pequeno como um bombom , por exemplo em um prato. Gosto de expandir os ingredientes. Sempre tenho em mente a textura e acidez como elementos principais para a criar algo diferente. Uma vez o Chef Luiz Farias me disse que: “fora do Brasil eu seria mais entendido , aqui não” . Gosto do conceito de “desconstruir” uma sobremesa, fazer ela ao contrário.

Ariadne: Qual foi a melhor e a pior sobremesa da sua vida?

Sobremesa do Chef Rodrigo Ribeiro

Rodrigo: Acho que, segundo a opinião dos clientes a melhor foi uma Panacotta de Manjericão com Morangos Marinados com Ruibarbo, pérolas de aceto balsâmico e crumble de gengibre, e a pior foi um Mil Folhas Invertido, onde utilizei o conceito de desconstrução que citei acima, mas a sobremesa ficou com um alto teor de gordura e não agradou muito.

Ariadne: Qual o doce mais “simples” que você come?

Rodrigo: Olha eu não sou muito de comer meus doces não (risos) , só quando estou no processo de produção de uma receita nova, mas em casa gosto de comer morangos com leite condensado e um bom pedaço de chocolate ou bombom depois da janta, claro. Isso não pode faltar!

E hoje lembrando dessa deliciosa entrevista, vi pelo seu Instagram @rodrigoribeirogourmet que ele tem um módulo sobre Confeitaria Inclusiva no seu curso. Claro que eu não perdi a oportunidade e fui perguntar qual a importância para um Confeiteiro Tradicional saber sobre Confeitaria Inclusiva. Olha só o que ele me respondeu:

Rodrigo: É suuuuuper importante, primeiro porque isso é mais do que um tendência eu achava que comida inclusiva era coisa do futuro ,mas na realidade é do PRESENTE, cada vez mais aumenta o número de pessoas com restrições seja doença celíaca, intolerância ao leite, ao glúten. Também tem aqueles que querem consumir alimentos mais saudáveis como o pessoal da categoria fitness . E para mim já é uma necessidade a gente conseguir atender todo mundo. A ideia é INCLUIR todo esse público para que todos as pessoas tenham acesso a uma experiência gastronômica interessante, por exemplo: você vai com um amiga no restaurante que é intolerante ao glúten e não tem uma sobremesa pra ela consumir. Fica chato, né. Então é legal que os profissionais estejam mais “antenados” e dominem as técnicas da Confeitaria Inclusiva assim poderão atender a todo mundo sem problemas.

Ariadne : Na sua opinião qual o ingrediente mais difícil de substituir?

Rodrigo: Ufaaa! Eu acho que o mais difícil é o “combo” mesmo , quando não pode nenhum ingrediente. Quando é só uma intolerância a lactose, a gente consegue substituir a manteiga por outra gordura em alguns preparos, o açúcar também dá para mudar por mel ou adoçante quando isso não tem tanta função de estrutura na receita e a farinha é bem difícil também. Cada um tem a sua importância e sempre é complicado fazer alguma substituição é preciso um bom tempo na parte de testes e pensar um pouco mais na construção dessa sobremesa. Repito que os testes são fundamentais para um bom resultado.

Ariadne: Você que é um confeiteiro renomado qual seria o seu conselho para quem está começando a fazer doces inclusivos?

Rodrigo: Então, tudo é muito recente ainda a aquafaba por exemplo, foi descoberta há 15 anos só e na minha opinião ainda é um assunto muito novo. Mas, está aumentando a oferta de material para ler em internet e existem mais chefs que estão focando nesse tipo de Cozinha. Meu conselho é ir atrás mesmo, e como eu já disse aqui ir fazendo laboratório. Eu não manjo muito , mas o pouco que eu sei foi fazendo testes que alguns deram certo e outros não. Um outro truque para quem está começando é estudar a química dos alimentos, qual a função deles dentro de uma receita porque se domina isso vai saber por exemplo que um bolo precisa de farinha, açúcar e ovo, se eu tiver que trocar o ovo o que eu poderia colocar no lugar? Conhecendo melhor a estrutura dos preparos a gente consegue criar uma Confeitaria mais Inclusiva .

Se você quiser conhecer mais sobre Rodrigo Ribeiro acesse o site http://garibeirox.wixsite.com/chefrodrigoribeiro onde vai conhecer também o seu projeto Vamos Adoçar o Mundo que visa ajudar as pessoas que precisam e tornar o mundo mais doce. E se quiser conhecer o seu curso é só clicar nesse link http://api.whatsapp.com/send?1=pt_BR&phone=5511967089197

#blogboraincluir#boraincluir#rodrigoribeiro#vamosadoçaromundo #confeitaria #confeitariainclusiva #chefprilorente#docesdedavi #arivasconceloscopy

Em destaque

Gingerbread , as bolachas mais divertidas do seu Natal

No começo era apenas um “pão de gengibre” usado para informar notícias , mas hoje são as bolachas mais lindas do Natal e até “casas” em tamanho real na Alemanha .

Gingerbreaad 6O Pão de Gengibre também conhecido como Lebkuchen em alemão é uma bolacha típica das festas natalinas muito popular na Europa e também nos EUA.

Ela surgiu quando as espécies do Oriente Médio começaram a chegar no continente europeu no século XI e os cozinheiros tinham mais opções para incrementar seus pratos e sobremesas que eram consumidas pelos nobres da corte na época. A receita europeia tinhas como ingredientes de base pão ralado, água de rosas, açúcar e gengibre.

Essa massa que originalmente começou a ser fabricadas por antigos gregos e egípcios que utilizavam para fins cerimoniais, depois de pronta era prensada em moldes de madeira para ter um formato mais bonito, quase uma obra de arte. Depois de assada, era utilizada para mostrar a imagem dos reis, imperadores ou símbolos religiosos, eu diria que era quase um “jornal” comestível, mas sem tantas notícias claro. Era algo tão especial que podia ser pintada com tinta de ouro comestível dependendo da ocasião.

No começo do século XVI, os ingleses mudaram os farelos de pão por farinha e colocaram ovos e mais açúcar, o que alterou a seu sabor, acredita-se que a primeira bolachinha em formato de homem foi feita para rainha Isabel I da Inglaterra, que gostava de presentear seus convidados com o mimo.

Sua popularidade é tanta que nas cidades de Nuremberg, Ulm e Pulsnitz, na Alemanha existem até grêmios dedicados a esta receita e acabou virando um costume local construir casas inteiras em tamanho real com a massa e deixar em exposição nos museus locais nas festas de Natal . Também é costume os campeonatos de Gingerbreads House onde fazem as casinhas mais lindas e bem decoradas com essa receita. Nem dá vontade de comer, né?

Gingerbread House

E para quem perdeu o nosso Evento Natal Inclusivo Gostoso de verdade, onde a Priscila ensinou essa receita na versão vegana e sem glúten eu vou deixar o passo a passo de como montar essa casinha aqui em cima. Mas , aí você pode fazer com a sua receita mesmo, tá.

Primeiro faça a massa, asse e corte com a faca (ainda quente) ou em molde que tenham o formato correto para a montagem.

Gingerbread 1

Começa a “colar” as partes com chocolate branco ou glacê real nas pontas para que fiquem bem firmes e aguentem o restante da decoração. Nesse processo também já dá para decorar as janelas com granulado colorido e a guirlanda é de pasta americana.

Gingerbread 2

Depois de tudo “colado” faça a entrada com esses pirulitos americanos. Espere terminar de secar o chocolate para continuar .

Gingerbread 3

Faça os detalhes da chaminé e abuse dos M&M coloridos principalmente nas pontas.

Gingerbread 7

O telhado foi feito com uma bala bem fininha , mas você pode usar pasta americana também se quiser, solte a sua imaginação.

Gingerbread 5

E o detalhe da chaminé é só um pouquinho de algodão doce.

Gingerbreaad 8

#blogboraincluir#boraincluir#academiadeconfeitariainclusiva

#chefprilorente#docesdedavi#arivasconceloscopy#semgluten#semleite#semovo

#govegan#veganfriendly

RETROSPECTIVA 2020 do Blog Bora Incluir

Falta um dia para acabar o ano praticamente …… Ufa! Dá até um certo “alívio” saber que estamos prestes a mudar as folhinhas do calendário porque foi tudo muito difícil para todos. Mas, antes de começar a comer uvas aqui na Espanha ou estourar aquela champanhe aí no Brasil, queremos comemorar o sucesso do nosso Blog e dividir com você , nosso leitor um pouquinho dos artigos mais lidos desse quase um ano de trabalho.

O quarto tema mais visto foi sobre a substituição da farinha, claro. Porque é algo muito fácil de fazer, mas…. Para que isso ocorra, precisamos encontrar um equilíbrio entre estruturação e elasticidade para substituir corretamente o glúten em receitas. Por isso, utilizamos um “mix” de farinhas, féculas e gomas para atingir um resultado satisfatório em aparência, textura e sabor, SEMPRE levando em consideração três funções da farinha de trigo na massa do bolo.

No mercado de farinhas de estrutura sem glúten temos a farinha de arroz, a farinha de grão de bico , farinha de aveia, de amêndoas entre outras. Um fator importante quando consideramos o tema maciez é recordar da fécula de batata, mandioca e amido de milho, esses três ingredientes podem nos levar ao resultado desejado.

Quanto a garantir a elasticidade da mistura é interessante utilizamos a goma xantana, polvilho doce ou CMC. É possível elaborar bolos #semglúten, #semleite e #semovo de maneira simples e muito parecida com os bolos tradicionais com estes ingredientes que são comumente encontrados em mercados e mercearias.

O terceiro “campeão” de visualizações foi sobre a substituição de ovos nas receitas. Pois, se você não pode consumir ovos ou optou por uma dieta #veggie , também existe solução para substituir os ovos de uma maneira econômica e fácil. Para as massas de bolo, os ovos podem ser substituídos por gel de linhaça, purê de batata doce, inhame, purê de maçã ou vinagre branco Isto pode parecer uma opção estranha mas, eu garanto funciona muito bem. Uma colher de sopa de cada uma delas é o equivalente a um ovo inteiro

Não podemos esquecer dos artigos que falam sobre a origem dos doces, ninguém derrubou o do brigadeiro (nosso 3º colocado no ranking ) com direito a receita na versão vegana que a Chef Pri Lorente fez em uma LIVE no seu Instagram.

Santinho_Eduardo_Gomes_1945

Poucas pessoas sabem que ele é um doce diretamente ligado a política do nosso país do ano de 1946. A inventora foi Heloísa Nabuco de Oliveira, um senhora carioca que frequentava as reuniões sociais de damas e esposas de políticos na época. Existem relatos que dizem que era esposa do Brigadeiro Eduardo Gomes, outros apenas apontam ela como simpatizante do político , candidato à Presidência da República na época.

Brigadeiro Vegano da Chef Pri Lorente

O então Brigadeiro, de personalidade revolucionária concorria ao cargo pelo partido da União Democrática Nacional (UDN) fundado em 1945 e era opositor feroz do governo de Getúlio Vargas. Ele não tinha muitos recursos financeiros para sustentar sua campanha política, foi então que as mulheres começaram a fazer reuniões para arrecadar fundos e D. Heloisa levava o brigadeiro para vender., como ele era um homem bonito e porte físico atlético, existia até um slogan criado pelas senhoras em sua homenagem “Vote no Brigadeiro. Além de bonito é solteiro”, bem sugestivo né?

E …. finalmente o primeiro da lista foi o da AQUAFABA , o ingrediente mágico e sustentável da Confeitaria Inclusiva.

A revolução começou na cozinha sem ovo porque, além de ser um produto muito versátil é algo que todo mundo pode ter em casa. O custo também é praticamente zero. Pode ser água de grão de bico, de feijões brancos ou até ervilha, o ideal é que esteja bem denso, então se for feito em casa talvez precise de um pouco de redução desse líquido para que fique mais viscoso. Mas, também é possível comprar os grãos enlatados que vão estar na proporção correta de água e também vai serão mais fácil pesar a quantidade que necessita para a sua receita.

Com o descobrimento da aquafaba, o mundo vegano entrou em festa geral, porque agora quem não queriam deixar de comer essas sobremesas já tinham um substituto à altura e não só para receitas que levavam clara, também é possível substituir as gemas com a #aquafaba. E sabe qual é a melhor vantagem ? Ela vai sozinha, sem precisar de outro produto.

O sucesso foi tanto que hoje existem até comunidades desse produto desde 2010 falando só disso e blogs especializados no assunto também. O próprio Wohlt em 2015 criou uma página web http://aquafaba.com/ (está em inglês ,mas dá para traduzir para o português) para compartilhar fatos e curiosidades sobre o tema.

Mas… como usar a aquafaba na cozinha?

Fotos Pri 8
Chef Pri Lorente, professora da Academia de Confeitaria Inclusiva

A resposta é bem simples : da mesma maneira que utilizamos o ovo para qualquer receita, seja de mousse, maioneses, merengue ou macarons. A comunidade da aquafaba tem uma tabela orientativa sobre quantidades, por exemplo:

– Para substituir um ovo utilize 45 ml de aquafaba (3 colheres de sopa)

– Para substituir uma clara utilize 30 ml de aquafaba (2 colheres de sopa)

– Para substituir uma gema utilize 15 ml de aquafaba (1 colher de sopa)

Ariadne Vasconcelos , Copywriter

E para o próximo ano vamos ter muitas novidades e artigos incríveis falando tudo sobre o mundo da Confeitaria Inclusiva. Ah, também NÃO podemos esquecer das nossas LIVES com as receitas da Chef Pri Lorente e algumas com dicas de Marketing e Copywriting para ajudar você a VENDER mais e melhor pela internet .

Desejamos a todos que o próximo ano seja repleto de boas vibrações e energias positivas. Nos vemos em 2021 aqui no Blog Bora Incluir.

BORA INCLUIR COM A GENTE EM 2021?

Um grande abraço

Ariadne Vasconcelos

Chef Pri Lorente

#blogboraincluir#boraincluir#chefprilorente#academiadeconfeitariainclusiva#confeitariainclusiva#cursosdocesveganos#empreendedorismo#arivasconceloscopy#jornalismogastronomico#veggie#veganas#veganfriendly#semleite#semovo#semgluten