Sem Glúten ou Sem Trigo?Você sabe a diferença ?

Chef Pri Lorente

“Essa é a pergunta que não quer calar “, acho que nunca rsrss.

Vejo muita gente trabalhando com esses dois termos nos seus produtos, mas na realidade não sabem o significado de cada uma deles.

E você sabe qual o motivo disso ? É algo muito simples, puro marketing misturado com um pouco de falta de informação, claro.


Acredito que isso seja algo natural, pois é um assunto pouco divulgado nas mídias , também é normal para quem está chegando agora neste mercado confundir um pouco . Eu entendo perfeitamente .


Mas… começar a dizer “sem glúten” para vender mais é uma coisa meio óbvia, porque ser saudável está na moda. Então todo mundo quer o tal “sem glúten”.
Só que, um produto com essa rotulagem precisa estar livre de qualquer micropartícula de glúten, porque é destinado principalmente à pessoas que não podem consumir nem uma fração dele.

Um exemplo bem claro disso são as pessoas com a doença celíaca que, normalmente não toleram mais que 20ppms de glúten. Elas sofrem com essa contaminação cruzada que pode existir em alguns produtos, isso também afeta os intolerantes ao glúten, alérgicos ao trigo e autistas.

São diversas desordens relacionadas ao consumo do glúten. Então, precisamos estudar e pensar muito além de qualquer modismo quando nos dispomos a produzir alimentos “sem glúten”.

Já os “sem trigo” são produtos que não contém farinha de trigo, mas que podem ter alguma contaminação cruzada por glúten. ATENÇÃO! Estes produtos não podem ser consumidos por pessoas alérgicas, intolerantes e celíacas por exemplo, e também não podem ser chamados de SEM GLÚTEN, tá . Isso não é correto !

Quando você utiliza farinha de trigo num ambiente, ela fica suspensa no ar por pelo menos 24 horas, portanto, tudo o que for produzido neste ali vai sofrer esta contaminação indireta (que chamamos de contaminação cruzada).

Por este motivo, as cozinhas inclusivas que afirmam não ter glúten em seus produtos precisam seguir uma série de protocolos para que estes alimentos não sofram esta contaminação cruzada e sejam seguros para as pessoas que não podem consumi-lo.

Pão sem Glúten

Vou te contar somente alguns dos cuidados que uma cozinha inclusiva precisa ter para oferecer produtos seguros para estas pessoas:

  • Adquirir insumos somente de fabricantes que controlem glúten em todos os processos de produção, desde o plantio, estoque e transporte.
  • Solicitar Laudos destes fornecedores, assegurando que o produto realmente não possui contaminação cruzada.
  • Ter ambiente exclusivo para estas produções, o que inclui a não circulação de outros alimentos dentro desta cozinha, assim como uma distância segura em relação a outros ambientes que manipulem farinha de trigo.
  • O ambiente exclusivo significa que o cuidado está desde a vestimenta das pessoas que circulam no local, a higienização das embalagens que vêm de fora, até os equipamentos e utensílios utilizados nestas produções. Por exemplo você jamais poderá comprar um utensílio que já tenha sido usado em produções com glúten para estas produções exclusivas.
  • Refrigeradores, freezers, bancadas e pias jamais devem ser compartilhados.
  • Jamais você poderá comprar produtos à granel!

E não pense que estou exagerando não, é a pura verdade, rsrsrs.


Estes são só alguns exemplos dos cuidados que precisamos ter para afirmar que um produto é sem glúten de fato. Um restrição alimentar pode ocasionar reações muito graves e até levar à morte!

E eu não quero desanimar ninguém não, tá! Juro !

Se você é uma confeiteira que utiliza farinha de trigo em suas produções, você pode sim oferecer produtos que não contenham trigo. Não há problema algum nisso!
Porém você jamais poderá afirmar que este produto é sem glúten.
O correto é utilizar o termo SEM TRIGO.


Aliás, utiliza-se muito a frase : SEM GLÚTEN , NÃO APTO PARA CELÍACOS.


Isso não existe! Ou é sem glúten e seguro para todos que possuem a restrição ao glúten ou é com glúten! Simples assim.

Nunca se esqueça que o mais importante sempre é ser absolutamente transparente com o seu cliente 😉 .

Nossa especialista em marketing (Ariadne) diz: “Quem fala com todo mundo não fala com ninguém” . Isso significa que anunciando corretamente seu produto você vai atingir o público certo e até aumentar suas vendas.

Do que vai adiantar, por exemplo, utilizar a hashtags “sem glúten” e atingir o público que não pode consumir seu produto, colocando a saúde dele em jogo e diminuindo sua credibilidade, isso é o mais puro engano.


Melhor utilizar outros termos para chegar no seu cliente ideal e finalizar estas vendas de maneira correta. O público flexitariano, por exemplo, que não consome glúten por opção, é muito maior do que o público que tem restrição alimentar por questões de saúde.

A restrição ao glúten para celíacos, intolerantes e alérgicos não é uma questão opcional. Ela é necessária para manter a saúde e qualidade de vida do indivíduo deles, pense nisso na hora de escrever a rotulagem dos seu produto.

Não esqueça de ler a RDC 26/2015 sobre a rotulagem de alergênicos, é só clicar no São Google para ver.

E … no caso de ter alguma dúvida sobre o assunto, escreve pra gente que teremos o maior prazer em lhe ajudar .

Chef Pri Lorente e alunas do Curso Extensivo Fundamentos da Confeitaria Inclusiva (Alessandra , Adriane , Cris , Camila , Vanessa, Neide, Carol, Mel e Rosângela) .

5 comentários em “Sem Glúten ou Sem Trigo?Você sabe a diferença ?

  1. ” Houston, temos um problema!”
    Np regulatorio pra Industria Alimenticia a frase SEM TRIGO também não é permitida.

    Na RDC 26/2015 está escrito:

    Art. 9º – Os alimentos, ingredientes, aditivos alimentares e coadjuvantes de tecnologia não podem veicular qualquer tipo de alegação relacionada à ausência AUSÊNCIA DE ALIMENTOS ALERGÊNICOS OU ALÉRGENOS ALIMENTARES, exceto nos casos previstos em regulamentos técnicos específicos.

    Quem produz artesanalmente não está sujeito a esse regulamento. Infelizmente.

    Curtir

  2. ” Houston, temos um problema!”
    Np regulatorio pra Industria Alimenticia a frase SEM TRIGO também não é permitida.

    Na RDC 26/2015 está escrito:

    Art. 9º – Os alimentos, ingredientes, aditivos alimentares e coadjuvantes de tecnologia não podem veicular qualquer tipo de alegação relacionada à ausência AUSÊNCIA DE ALIMENTOS ALERGÊNICOS OU ALÉRGENOS ALIMENTARES, exceto nos casos previstos em regulamentos técnicos específicos.

    Quem produz artesanalmente não está sujeito a esse regulamento. Infelizmente.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: